Casos e causos

Uma das coisas que nos une como raça humana é o gosto por histórias. Desde os antigos contadores de histórias que se reuniam em torno de uma fogueira, até os dias de hoje com livros a mancheia, filmes novos saindo a cada mês, o acompanhamento de folhetins televisivos tem por detrás a paixão por histórias. “Deus criou o homem porque gosta de histórias” escreveu Elie Wiesel.

Nossas amizades mais prazerosas se constroem a partir de histórias em comum. Quantas vezes ansiamos reencontrar alguém que está longe, para podermos contar nossas novas histórias e recontar as velhas que são lembradas vez após vez, sem que jamais cansemos delas. Atreveria-me a dizer que amigos são aqueles que tem histórias para contar juntos.

Aqui no sul o pessoal costuma chamar uma história que não é fato de causo. Por isso nosso tema a partir daqui será casos e causos. Porque vamos contar aqui verdades da vida real e da imaginação. Toda semana vamos postar uma história da qual  você poderá se beneficiar e até mesmo se divertir. Eu aconselharia a qualquer pregador, que jamais falasse de qualquer verdade sem que pudesse encarna-la com uma boa história. O verbo virou gente (1) e a palavra que falamos tem vida quando ganha substância através da história. O que são esses ossos secos? Esses ossos secos são tuas palavras sem histórias.

Erasmo de Roterdam percebeu essa realidade com argúcia no seu livro “Elogio da Loucura” quando diz: “… quando o pregador aborda o assunto com seriedade e apoiado em argumentos, o auditório dorme, boceja, tosse, assoa o nariz, relaxa o corpo, inteiramente enjoado. Se, porém, o orador, como quase sempre é o caso, conta uma velha fábula, ou um milagre da lenda, então o auditório logo se agita, os dorminhocos despertam, todos os ouvintes, levantam a cabeça, arregalam os olhos, prestam atenção.” Embora a visão de Erasmo seja negativa, podemos nos aproveitar de suas observações.

Vejamos como a  Bíblia é um livro de histórias por excelência. Cheias de significados, essas histórias são utilizadas por diferentes pregadores e revelam diferentes camadas de significados que nos surpreendem. Observe que Natã confronta a Davi com uma história, e se contarmos os livros essencialmente de histórias podemos dizer que mais da metade da Bíblia é constituída de histórias, sem falar em Jesus e as suas parábolas.

Estou lendo um livro maravilhoso sobre a importância de contar histórias (2), cujos pontos principais traduzo aqui:

“Onde a teologia se torna extremamente abstrata, conceitual e sistemática, ela acaba separando pensamento e a vida, fé e prática, palavras e corpo; tornando mais difícil, se não impossível, crermos com o nosso coração o que nós confessamos com a nossa boca.”

“Como a história é a única maneira através da qual a realidade interpessoal da humanidade pode se expressar plenamente cognitiva e afetivamente e como nosso relacionamento com Deus é fundamentalmente interpessoal, segue-se que ouvir e contar historias providenciam os meios mais apropriados de capacitar-nos a viver nesse relacionamento.”

“A teologia sistemática envolve o intelecto; contar histórias envolve coração e a pessoa como um todo. A teologia sistemática é a reflexão posterior sobre a história de Cristo; a história é a primeira expressão de Cristo.”

“Proposições são frases em uma página; histórias são eventos na vida. Doutrina é o material dos textos; história é o sumo da vida.”

Sobre as características das histórias ele escreve também:

Histórias provocam curiosidade e nos estimulam repeti-las.

Histórias nos unem aquilo que temos em comum na existência.

Histórias são uma ponte para nossa cultura e raízes.

Histórias nos ligam com toda a família humana na terra.

Histórias nos ajudam a lembrar.

Histórias restauram o verdadeiro poder da palavra.

Histórias providenciam um escape para nossos problemas.

Histórias evocam em nós imaginação e ternura.

Histórias promovem cura.

Histórias providenciam um fundamento para esperança e a ética.

Nesse ponto eu já estou achando que é melhor acabar essa conversa e mandar logo a primeira história de casos e causos: a história de Marta e Fred.

Fred e Marta voltavam para casa após um culto na igreja.

– Fred – disse Marta -, você notou que o sermão do pastor foi um pouco fraco hoje?

– Não, realmente não – respondeu Fred.

– Bem, então você notou que o coral estava desafinado?

– Não, não notei – ele respondeu.

– Com certeza você percebeu o jovem casal com os filhos bem na nossa frente fazendo todo aquele barulho e tumulto durante o culto inteiro!

– Desculpe, querida, mas não notei.

Por fim, com desgosto, Marta disse:

– Honestamente, Fred, não sei por que você se dá ao trabalho de ir à igreja!

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

(1)    João 1

(2)    Storytelling Imagination and Faith de William J. Bausch

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s