Desculpa Zero

Quem dá desculpas não dá resultado. Ouvi essa frase em um encontro de liderança. A princípio pode parecer apenas uma máxima pragmática “a la Benjamim Franklin.” Mas se pensarmos na praticidade do evangelho vamos concordar com ela. Isso fica bem claro na parábola dos talentos nos evangelhos. Três homens receberam investimentos diferentes o terceiro deles usou o medo para justificar sua inércia e simplesmente não deu retorno. (1)

Claro que segundo o evangelho dar resultado não significa multidões, nem tampouco dinheiro conforme reza a cartilha gospel e mundana. Se multidões fossem sinal da bênção de Deus os discípulos do ego estariam no centro da vontade de Deus e se dinheiro fosse sinal de presença de Deus a máfia estaria ungida.

Para Deus dar resultado é cumprir seu chamado com excelência.

Para Deus dar resultado é engrandecê-lO com nosso estilo de vida.

Para Deus dar resultado é dar testemunho verdadeiro de Jesus para as pessoas, independente do fato delas crerem ou não, até porque o crescimento vem de Deus e a decisão é particular.

Para Deus dar resultado é discipular bem as pessoas.

Para Deus dar resultado é ser transformado a semelhança de Jesus.

A Bíblia chama o resultado muitas vezes de fruto. Sou informado que Deus procura fruto  em mim porque investiu tudo nisso. Investiu sua própria vida, Seu próprio filho. O mundo criado, Sua Palavra, o Espírito Santo tudo é um grande investimento para que nossa fé revele o fruto desejado por Deus.

No caminho entre o que Deus investiu e o resultado esperado estão as desculpas. Quero promover um movimento aqui no blog: Desculpas Zero. Quem dá desculpas revela um potencial criativo mas está usando-o de maneira tola e lamentavelmente muitos ainda se acham espertos por fazer assim.

Se você for observar no trabalho e na escola verá que a pessoa mais inútil a sua volta, é aquela que aprendeu e se viciou no hábito de dar desculpas para aquilo que ela deveria ter feito e não fez. Algumas pessoas são tão convincentes que parecem enganar a todos, mas o fato é que elas não dão resultado.

Uma das desculpas mais comuns que você ouve as pessoas darem em todos os lugares é a seguinte:

“Não tenho tempo para orar, ou para estudar, ou para brincar com os meus filhos”

Essa frase esta baseada na falsa ideia de que as circunstâncias dominam totalmente minha vida. É uma crença que desfaz da liberdade humana de escolha. Na verdade deveríamos aprender a dizer com verdade:

“Eu escolhi não dar tempo na minha agenda para orar, para estudar e para brincar com os meus filhos.”

Se fizéssemos assim, teríamos que encarar a verdade, e como Jesus já disse a verdade liberta. As desculpas são uma espécie de mentira branca, politicamente correta que me mantém preso ao meu egoísmo e a burrice de minhas escolhas. As desculpas entorpecem qualquer possibilidade de que eu encare a verdade e mude. As desculpas acabam sendo uma maneira de eu dizer que o meu erro na verdade não foi um erro.

Por exemplo: as pessoas na nossa cultura estão sempre chegando atrasadas em seus compromissos. Isso chega a ser uma regra não escrita. Não é fácil para ninguém estar a tempo em seus compromissos, é preciso disciplina e firmeza de caráter, além de ser uma forma de valorizar quem espera por nós. No entanto quando as pessoas chegam atrasadas elas logo vão se justificando e raramente ouvimos quem quer que seja falar a verdade: “Gente, eu fui desorganizado e imprevidente com meu tempo, me perdoem o atraso.”

No mundo do trabalho existem pessoas que a gente imagina que tenhma uma família como a de Jacó, pois todos os dias acontece algo com alguém da família que justifica atrasos e faltas.

Outro dia li a história de Jean Dominique Bauby, ex-editor da revista francesa de moda Elle . Ele sofreu aos 43 anos de idade um grave AVC e adquiriu aquilo que chamam de Síndrome do Encarceramento:  suas faculdades mentais eram perfeitas enquanto seu corpo perdeu todos os movimentos com exceção da pálpebra do olho esquerdo. Em uma situação que poderia justificar a prostração total, esse homem com o auxilio de um método especialmente desenvolvido para ele por sua fonoaudióloga, escreveu o livro: O escafandro e a borboleta utilizando apenas as piscadas do olho esquerdo. Segundo informações foram necessárias 200.000 piscadas para compor o livro. Esse homem não sabia o que eram desculpas e deu resultado.

Lá no Éden verificamos os primórdios dessa tendência. O homem ao ser perguntado por Deus porque havia comido do fruto que foi proibido comer, sai com a desculpa: foi a mulher que me deste. A partir daí a raça humana não parou mais.

Pergunto para você qual é a classe mais inútil de nossa sociedade?  Sim aqueles que não dão o retorno de acordo com a confiança e o salário que recebem? Todos já sabem que falamos dos políticos. E como eles reagem quando são acusados? Com um recurso tão batido quanto patético eles repetem  nos mais diversos matizes a ideia: “isso é intriga da oposição”.

Em casa acontece a mesma coisa. Se algo de mal foi feito, o marido culpa os filhos, o filho maior culpa o filho do meio, o filho do meio culpa o caçula e o caçula se puder culpará o cachorro. No trabalho quem está abaixo na hierarquia receberá a batata quente, mas no final das contas  quem faz as coisas erradamente raramente assumirá seu erro sem uma justificativa.

Existe muita gente irritada por aí, então você ouve e vê muita grosseria, mas incrivelmente ninguém é responsável de nada. Nem por palavras nem por atitudes. O culpado é sempre o stress. Eu nunca fui apresentado a esse cara, sim porque quem faz as burradas na minha vida não é ele, sou eu.

No final de semana os jogos de futebol se multiplicam  e quem é derrotado tem que passar por aquela horrível bateria de perguntas para dizer porque perdeu. Deve ser difícil e irritante ter que fazer isso em público constantemente. É um golpe duro no ego, principalmente de jogadores que se sentem estrelas intocáveis. Alguns deles sequer falam e outros quase nos fazem rir por repetir a ladainha: o juiz nos prejudicou, foi o gramado. O engraçado é que quando se ganha ninguém acha que foi beneficiado pelo gramado!

Mas a pior de todas é a desculpa favorita dos discípulos de Jesus, dos cristãos: foi o diabo! Bom olha o que diz a Palavra:

“Deus ressuscitou vocês como fez com Cristo! Pensem nisso! Todos os pecados perdoados, a lista toda apagada, a velha ordem de prisão cancelada e pregada na cruz de Cristo. Ali ele desapossou todos os tiranos espirituais do Universo de sua autoridade falsa e os obrigou a marchar humilhados pelas ruas.” (2)

A verdade é que somos livres agora. Se o diabo fosse destruído hoje, tenho certeza que haveria muito crente preocupado pensando em quem poderia colocar a culpa de seus desvios e mancadas.

Por essa razão quero propor a você a campanha: desculpa zero. Coloque uma placa na sua casa, na sua Bíblia e no seu escritório com esses dizeres para lembrar que você está proibido de dar desculpas. Vamos crescer, pois  sem termos onde nos esconder seremos pressionados a ir mais alto.

Um abraço quebra costelas

O discípulo gaudério

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s