Você já pensou no tamanho da sua ignorância?

“As coisas encobertas pertencem ao Senhor, o nosso Deus, mas as reveladas pertencem a nós e aos nossos filhos para sempre, para que sigamos todas as palavras desta lei.”

Deuteronômio 29:29

“Há mais coisas entre o céu e a terra, Horácio, do que sonha a nossa vã filosofia”.

Ato I – Cena V

Hamlet – Shakespeare

“Mas, quem é você, ó homem para questionar Deus? Acaso aquilo que é formado pode dizer ao que o formou: Por que me fizeste assim?”

Romanos 9:20

“Quem pensa conhecer alguma coisa, ainda não conhece como deveria.”

I Coríntios 8:2

Você já considerou que Deus revelou apenas 0,000000000000000001% sobre a vida espiritual e que mais resta a saber do que sabemos?

E mesmo assim você quase não lê a Palavra, e quando lê ao longo dos anos percebe que do que já sabia precisa aprender ainda mais?

Já pensou que as pessoas mais chegadas a você não falam 80% do que pensam ao longo do dia, e que as pessoas que você diz conhecer não revelam 99% do que são a você?

Já pensou que a maioria dos seus conhecidos abre seu coração ocasionalmente e só em situações de crise?

Que você não sabe nada sobre os seus vizinhos, a não ser o rosto que lhe diz oi, e olá todos os dias iludindo-o com falsa familiaridade?

Que a maioria das pautas dos sistemas políticos, das organizações sociais e das máfias religiosas não vem a tona nem são discutidas publicamente?

Considerou o mistério que você é para si mesmo? O quanto suas emoções e reações o surpreendem nos momentos mais inesperados?

Consegue imaginar que de posse dessa consciência, é impossível elucubrar a série de variantes  de situações que a vida pode te apresentar, e quanto das situação realmente podemos entender?

Que enquanto a mídia veicula 10 notícias, oculta outras 100 que não convém aos patrocinadores?

Tem ideia de que você não sabe nada sobre a maioria dos assuntos que estruturam a existência humana? O que você sabe de química, sobre ler partituras,  sobre as bactérias, sobre os problemas do seu pet, de gestão de negócios internacionais, das milhares de línguas existentes nesse mundo, dos dramas de um adolescente na Mongólia?

E que muitos assuntos você não entenderia nem que quisesse?

E que até os assuntos que você domina, quando confrontado com a crise e a necessidade extrema, você percebe que apesar de haver estudado anos, você ainda tem um oceano para explorar?

Você já pensou que quando você olha a frente, não enxerga ao seu lado, em cima e nem atrás?

Já considerou que afirma categoricamente ideias sobre assuntos que vagamente analisou?

Imaginou o quanto você ainda não leu? O quanto fala sobre autores cujas obras jamais examinou, mas pensa que sabe porque leu uma ou duas citações?

Já pensou que quando a ciência encontra uma resposta, essa mesma resposta abre a porta de mais uns dez questionamentos que quando respondidos, abrirão novos questionamentos e assim sucessivamente?

Já pensou?

Humilhante não?

Mesmo assim você continua tentando dizer a Deus como as coisas deveriam ser.

Ainda faz afirmações categóricas sobre a vida de pessoas com o tom de especialista.

Julga sem ouvir os dois lados da questão.

Tenta impressionar com duas ou três frases calculadas.

Se sente dono da situação porque tem um ou outro diploma pendurado em seu escritório, ou porque já viveu algo como 80 anos.

Fala antes de ouvir.

Diante da constatação do mar de ignorância que cobre a sua vida talvez fosse conveniente fazer as seguintes considerações:

Quem sabe você precisa realmente de um Mestre nesta vida.

Quem sabe esse negócio de pedir sabedoria, é realmente uma necessidade imperiosa.

Quem sabe as palavras aprendiz e discípulo são as que melhor lhe caberiam, e talvez Jesus estivesse pensando em nós quando disse: Perdoa-lhes porque não sabem o que fazem!

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Anúncios

Se a mulher fosse feita apenas para procriar, Deus não criaria o clitóris

Marisa Lobo

Vi no Genizah.

Em minhas palestras sobre sexualidade da mulher ensino as mulheres para que serve o clitóris , e como sentir prazer sem tabus.
Muito tem se falado de sexo na igreja e é bom que a igreja se preocupe com esse assunto, pois muitas mulheres sofrem muito, por não saberem até onde podem ir, se podem, até onde se tem o direito de sentir prazer e etc. Há muitos tabus em cima da sexualidade da mulher que deve ser esclarecido com verdade e clareza a fim proteger a mulher e sua saúde mental.
Em minhas andanças pelo Brasil, vejo mulheres oprimidas por pregadores preconceituosos, que nem sequer sabem o que é sentir um orgasmo. Essa ignorância tem que acabar.
Recentemente, em uma de minhas palestras em uma grande Igreja no Brasil, uma mulher me disse que ouviu de um renomado pastor, que Deus apreciava tanto o sexo que envia anjos para observarem o ato. “Misericórdia!”, gritei. Fiquei imaginando a cena, você lá com o maridão e os anjos te olhando. Que coisa mais bizarra, parece voyeurismo. É o cúmulo da alienação e da opressão sexual. Pastores querendo até controlar o que as mulheres fazem e sentem no sexo com seus maridos? Ou foi uma forma subliminar de dizer não traiam seus maridos porque Deus está vendo? E por acaso já não sabemos disso?!
Em minha visão e opinião como palestrante do assunto e uma mulher Cristã que respeita princípios, isso é uma forma de constranger, oprimir e induzir à culpa. A fala deste pastor fez com que essa mulher se sentisse fiscalizada na hora do sexo. Resultado? Ela estava tendo um péssimo sexo, onde só o marido atingia o orgasmo, ou seja, só o homem sentia prazer. Isso gera mulheres frustradas em sua sexualidade, em consequência: mais dores de cabeça, TPM, nervosismo, etc.
Essas e muitas mulheres que encontro em minhas palestras são vítimas dessas que eu chamo claramente de heresias, acreditando que fazer sua obrigação como mulher é dádiva e sentir prazer não é seu direito ou é algo supérfluo.
Primeiramente, quando falamos de sexo, não podemos usar a palavra obrigação, pois obrigação não combina com prazer. Se Deus quisesse que a mulher não sentisse prazer no ato sexual, não teria lhe dado o clitóris, que só serve para dar prazer a mulher durante o ato sexual.
“Fugi dos escribas, que gostam de andar com vestes compridas” (Marcos 12:38)
Em conversas mais íntimas com essas mulheres em todo Brasil, pude observar que é geral a ídéia que para ser cristã, uma mulher de Deus, é necessário ceder ao marido apenas como obrigação. Eu ensino que “ceder” ao marido é uma ótima brincadeira e vai te deixar muito mais feliz se entender o que realmente Deus quis dizer com isso, eu digo sempre que Deus quis dizer “se deleite minha filha, é direito seu!”.
A Palavra de Deus é viva e eficaz, portanto, os pregadores devem usá-la na amplitude do que é. O líder espiritual eficiente é o que ministra a Palavra e atinge a tricotomia do ser humano: o corpo, a alma e o espírito.
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula” (Hebreus 13.4). Nos originais em grego, a palavra traduzida por leito é sexo. Que os líderes evangélicos vençam os seus tabus e consigam usar a Palavra a fim de criar maior honra no matrimônio, no sexo entre cônjuges, diz o Pr Josué Gonçalves.
Temos que mudar urgente esses conceitos, a mulher tem o direito dado por DEUS em seu corpo de sentir orgasmo. Pelas estatísticas mundiais somente 35% das mulheres já atingiram orgasmo, essa porcentagem fica ainda maior quando imputamos culpa em nossos membros e não ensinamos as mulheres que DEUS lhes deu liberdade no corpo, alma e espirito para gozar com seu marido literalmente de todo prazer em sua vida sexual.
“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da sua vida…” Eclesiastes 9.7.
O sexo com prazer é um dom que Deus dá às pessoas casadas para o prazer de ambos e não como dizia a era Agostiniana: “um mal necessário, somente para procriação”.
Principalmente a mulher cristã, deve relaxar tendo em mente que Deus quer sua felicidade e pensou muito em seu prazer, por isso temos um clitóris e curiosidade. Podemos atingir orgasmo múltiplos e quantas vezes quisermos, já o homem sabemos ser mais difícil.
Deus foi tão sábio que com a mulher ensina o marido (homem) a ser mais carinhoso. Para a mulher atingir o orgasmo, o homem precisa estimulá-la com muito carinho e paciência. Homens que tratam mulheres com agressividade por exemplo não conseguem de maneira alguma satisfazer suas mulheres, pois nós precisamos estar psicologicamente e fisicamente relaxadas, e ainda muito mais motivadas que o homem. São dois opostos que se atraem, vejo como uma linda brincadeira de Deus para nós.
E como é bom para o homem satisfazer sua esposa, ele se sente mais macho, mas isso só será possível se ele estimular com carinhos variados, com palavras e atitudes todo o corpo de sua amada esposa e principalmente em seu clitóris. Não é tarefa fácil mas se querem uma esposa ardente, devem mudar seus conceitos.
Quem ama a sua esposa, ou esposo, acha nela ou nele a sua beleza, jamais sentirá condenação em colocar a boca ou as mãos em qualquer parte do seu corpo, pois os dois já são uma só carne. Fazer carinhos nela é estimular você, pois somos uma só carne, lembra?
A OMS (Organização Mundial de Saúde) considera saúde sexual um dos parâmetros para qualidade de vida junto com o bem estar físico, mental e social.
Para a mulher estar bem com a sexualidade e ter satisfação sexual com o seu esposo, ela tem que se conhecer e saber onde quer e deseja ser estimulada e acariciada. Com certeza haverá muito mais troca! Essas trocas de carinhos são importantes na Manutenção da Interação da Vida do Casal, claro que não devemos associar o prazer sexual somente ao orgasmo, mas quem consegue atingí-lo, tem mais saúde emocional, física e espiritual, pois se sente mais feliz e disposto.
Portanto, dificuldades sexuais podem sim afetar a vida pessoal, social e profissional, por implicar em baixa de auto-estima. Por isso ensino mulheres a conhecerem seu corpo, a entender seus problemas sexuais, suas dores e principalmente a exercitarem o sexo, não como uma simples forma de satisfazer seus maridos, no entanto e principalmente, satisfazer a si mesma como direito adquirido por Deus. Assim sendo, a mulher que sabe o que é um orgasmo será muito mais feliz e fará seu marido se sentir o máximo.
Lembre-se que Deus fez o seu corpo e de seu marido para que ambos sintam todo o prazer que o sexo oferece, no contexto do casamento (Hb 13.4 e 1 Co 7.3,4).
Bom sexo para você mulher de Deus!
Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora.

As muitas gaiolas para Deus

Cuidado com seus cadeados. Quando você tenta enclausurar Deus, é você quem acaba preso. Preso de expectativas que se desfarão logo ali adiante. Lendo a Bíblia, eu tenho a impressão de que as regras parecem perder a razão de ser com o tempo, e que Deus precisa quebra-las para que elas voltem ao seu sentido original. Tire suas próprias conclusões.

Embora o primogênito fosse o herdeiro oficial, Deus escolheu o caçula Davi e também Jacó como personagens centrais do drama divino.

Embora Israel fosse a nação escolhida para ser luz das nações, Ele chamou Nabucodonosor e Ciro de “meu servo”.

Embora o tabernáculo e o templo fossem lugares destinados ao encontro com Deus, Ele não deixou de falar no campo, na cidade e no coração dos homens.

Embora os sacerdotes tenham sido escolhidos para levar a palavra de Deus, Ele não cessou de levantar profetas para confrontar esses mesmos sacerdotes.

Embora Jesus tivesse sido enviado as ovelhas perdidas de Israel, foi da boca dos estrangeiros que saíram as expressões de fé mais genuínas e profundas.

Embora Paulo, homem de Deus estivesse preso, a Palavra de Deus não estava algemada.

Embora o ambiente do Oriente Médio fosse marcado pelo machismo, Ele levantou entre judeus uma mulher guerreira e chefe de multidões chamada Débora.

Embora os judeus fossem contados como uma nação marcada pelo legalismo e exigências éticas altíssimas, Ele escolheu entre homens e mulheres,  Manassés o pior rei de todos, a Rute a estrangeira, e a prostituta Raabe para figurarem na genealogia de Jesus.

Embora não houvesse uma igreja onde vivia Cornélio, Deus estava fazendo a obra nos corações que estavam abertos ali.

Embora Atenas pudesse ser chamada de “a mais pagã das cidades”, Deus não deixou de dar, testemunho de si mesmo, tendo ali um altar erigido “ao Deus desconhecido”.

Embora Jerusalém fosse a capital da Terra Santa, Deus escolheu a pequena Belém como nascedouro do Messias.

Embora o sábado fosse determinado como dia de descanso, Jesus não deixou de realizar nele grandes milagres.

Embora poucos missionários hoje em dia consigam entrar em países muçulmanos, são muitos os testemunhos naqueles países de pessoas que tem ouvido o evangelho em sonhos.

E você, onde tenta, em vão, aprisionar a Deus?

Ao domingo?

Ao Templo?

Aos evangélicos?

Aos cristãos cabeça?

Aos cristãos sem igreja?

Ao calvinismo?

Ao arminianismo?

Às reuniões de oração?

Ao encontro com Deus?

Aos países ditos cristãos?

Às grandes igrejas?

Aos figurões midiáticos?

Às multidões?

À sua denominação?

Às suas declarações?

Aos livros?

Às declarações de após-tolos e apostilas?

Ao seu culto calminho?

Ao seu culto nervosinho?

Esse deus não é Deus. Deus não admite ser reduzido. Esse deus cansa, não surpreende, é deus de movimentos previsíveis e respostas ensaiadas. Toca sempre a mesma canção com três ou quatro acordes. Deus é orquestra, é aquarela, é floresta amazônica. Perfeitamente acessível em seu mistério.

Não perca o caminho do Reino em meio às gaiolas que fizeram para Deus.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Confrontando a questão do adultério

Para quem gosta de altos papos e teorias, João o apóstolo vai logo  acabando com a enrolação e esclarecendo sobre a vida espiritual: aquele que não ama seu irmão que vê, não pode amar a Deus que não vê. Pronto falou! Quer dizer que somos fiéis a Deus sendo fiéis aqueles que vivem perto da gente e por extensão quer dizer também que ser fiel a Deus é ser fiel à esposa com quem escolhemos viver.

Por falar nisso a composição “Amiga da minha mulher” do Seu Jorge está bombando nas ruas e nas rádios. A letra diz assim:

Ela é amiga da minha mulher.

Pois é, pois é..

Mas vive dando em cima de mim.

Enfim, enfim..

Ainda por cima é uma tremenda gata, pra piorar minha situação.

Se fosse mulher feia tava tudo certo, mulher bonita mexe com meu coração.

Se fosse mulher feia tava tudo certo, mulher bonita mexe com meu coração.

[refrão]

Não pego, eu pego, não pego, eu pego, eu não pego não..

Não pego, eu pego, não pego, eu pego, eu não pego não..

A letra reflete um conflito comum a todo homem: seu propósito contra seus apetites. E para um discípulo de Jesus o conflito ganha contornos de batalha espiritual. É difícil que a gente participe de reuniões de homens na igreja onde eles possam admitir abertamente suas lutas nessa área, por isso faço questão de escrever sobre o assunto.

A primeira pergunta que devemos fazer a nós mesmos é: qual o meu nível de frustração no meu relacionamento conjugal? Alguém vai pensar que a  abordagem é um tanto negativa, mas não é. É realista. Porque não existe relacionamento nesse mundo que satisfaça todas as nossas necessidades afetivas, mas se o relacionamento não satisfaz nenhuma necessidade afetiva, estamos em perigo, e precisamos saber disso. A equação seria mais ou menos assim:

Alta frustração + longo tempo = Grande perigo

Esse seria o componente interno que favorece (embora não determine) o adultério. Na verdade aponta para a necessidade de procurarmos ajuda. O segundo componente é de natureza cultural, de sistema. Há muita propaganda em favor do adultério apresentada da seguinte maneira:

Banalização: ouvimos a todo momento que todo mundo está fazendo, e começamos achar que é verdade. Quando essa mensagem entra na nossa cabeça, nós começamos a balançar, porque somos seres com comportamento de massa. É só olhar o quanto seguimos a moda em suas diferentes expressões.

Romantização: aqui entra a força do folhetim, de Hollywood. Trair em geral é apresentado como um ato de liberdade e não como maldade.

Tiranização: nesse ponto a cultura quase que impõe o adultério. Você não vai conseguir, é o que eles dizem, não pode, é mais forte do que você.

Ridicularização: aqui sua sanidade mental e masculinidade é questionada. Você é chamado de “boiola”, “trouxa”, porque não aproveita uma oportunidade apresentada.

Omissão: somos apresentados a todas as “vantagens” do adultério, o novo, a aventura, a alegria, mas somos enganados, pois não nos mostram a decepção da família, a perda da confiança e a culpa que será carregada. Tudo o que Davi viu da janela do seu palácio foi o belo corpo nu de Bate-Seba, ah se ele tivesse visto a desonra na família, a morte, a vergonha, talvez a história fosse outra.

O  terceiro componente da questão, é a escada do envolvimento. Sempre digo aos homens e as mulheres também, que devem falar de qualquer nível de envolvimento que se estabeleça com o sexo oposto ao seu cônjuge. O mal se espalha nas trevas. Algumas etapas se dão até que uma traição se veja consumada. É claro que o que escrevo só terá utilidade a quem realmente procura se fiel, pois ao coração decidido a trair, de nada valerá. E o traidor profissional descerá a escada do envolvimento em poucos minutos. Eis a ladeira que você deve evitar:

1.            Troca de olhares.

2.            Troca de elogios.

3.            Saídas furtivas.

4.            Primeiros toques físicos.

5.            Intercurso sexual.

Você está decidido mesmo a ser fiel?

Então, não subestime pequenos envolvimentos.

Fale para o cônjuge qualquer movimento em falso com outra pessoa.

Não se engane achando que pode manter dois relacionamentos ao mesmo tempo sem conflito.

Não seja ingênuo, pensando que você pode brincar com o mal, e sair a qualquer hora. Você não tem tudo sob controle. A partir do momento em que você não segurou sua onda, você já perdeu o controle e está realmente em perigo.

Conselho do gaudério: dá um tranco de esporas no lombo desse potro selvagem dentro de ti pra não te lamentar depois.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Marcador

“O pastor de almas deve saber que, frequentemente, os vícios assumem a aparência das virtudes. Por exemplo, a avareza se apresenta, com frequência, com o nome de parcimônia, enquanto a prodigalidade [esbanjamento] se esconde sob o falso nome de generosidade. A indulgência excessiva é considerada bondade e a ira desenfreada, vigor de zelo espiritual. Com frequência, considera-se a precipitação como prontidão a executar, e a lentidão no agir como prudência de sabedoria. É, portanto, indispensável, que o pastor de almas seja muito atento para distinguir virtudes e vícios, a fim de evitar que, se a avareza toma conta do seu coração, ele se felicite por parecer um “bom administrador”; que se vanglorie por ter sido generoso, quando, ao contrário, a sua prodigalidade é esbanjamento… que enfrente com superficialidade aquilo que poderia ser administrado corretamente e com prudência, intervindo precipitadamente; que converta uma boa ação em má, procrastinando o seu cumprimento.”

Extraído de Regra Pastoral de Gregório Magno, escrito no século VII.

Li no blog do Olavo Ribeiro.

“Muitos pais não percebem, mas seus filhos se tornaram idiotas, diz Ziraldo na Bienal

  • Ziraldo durante a 22º Bienal Internacional do Livro, em São Paulo (9/8/2012)Ziraldo durante a 22º Bienal Internacional do Livro, em São Paulo (9/8/2012)

Uma breve conversa de 15 minutos com Ziraldo na Bienal Internacional do Livro de São Paulo acaba passando por temas como literatura, colonização brasileira, marketing, UFC, novas tecnologias, casos de família e até mesmo um pouco sobre os seus lançamentos na feira.

Aos 80 anos e em sua 16ª Bienal, o pai do Menino Maluquinho não cessa de enfatizar a importância de feiras literárias e do próprio livro para enfrentar o que ele considera em “emburrecimento” endêmico da sociedade.

“A família brasileira não lê. Nós temos a internet que pode ser a fonte da vida e do conhecimento, mas o computador é usado como brinquedo. Muitos pais não percebem, mas seus filhos se tornaram idiotas”, disse Ziraldo ao UOL. “Bote um livro na mão do seu filho e ensine o domínio da leitura. Se ele não dominar isso, só vai dar certo se souber jogar futebol ou dar porrada muito bem para entrar nesse UFC”.

“Liguei a TV de madrugada outro dia e vi dois seres se esfregando. Achei que fosse pornografia. E aí o chão começou a se encher de sangue como se tivesse rompido o hímen. Só depois percebi que era essas lutas”

Ziraldo sobre o UFC

Ziraldo mostra não aprovar o sucesso das competições de artes marciais mistas. “Liguei a TV de madrugada outro dia e vi dois seres se esfregando. Achei que fosse pornografia. E aí o chão começou a se encher de sangue como se tivesse rompido o hímen. Só depois percebi que era essas lutas”, contou Ziraldo.

Apesar de ser autor de obras que marcaram seguidas gerações de crianças brasileiras, Ziraldo diz que não se considera um narrador. “Não tenho um talento como o de Thalita Rebouças ou da autora do Harry Potter”, falou. “Eu parto de uma ideia simples como uma ilustração e tento fechá-la com chave de ouro, como fazia quando trabalhava no marketing”.

“O livro é o objeto mais perfeito da história da humanidade”, defendeu Ziraldo. “Você carrega a história em suas mãos, sente o cheiro do papel, o tempo que você vira uma página é um tempo que percorre na história. O livro contém vida e isso não pode ser substituído por algo frio e digital”.

Quando perguntado sobre o que mudou em sua comunicação com as crianças em todos os anos de literatura infantil, Ziraldo responde: “Não mudou nada. Os tempos e as tecnologias podem mudar, mas a criança não muda nunca”. Ziraldo lança na feira “O Grande Livro das Tias” (Melhoramentos), homenagem às tias e sua importância na infância.

Acertando as contas com papai!

“Ele fará com que os corações dos pais se voltem para seus filhos, e os corações dos filhos para seus pais; do contrário, eu virei e castigarei a terra com maldição.”

Malaquias 4:6

Um amigo meu cujo pai era músico de primeira, às vezes encontrava seu pai chorando enquanto tocava o violão. Intrigado ele perguntava o que estava acontecendo. O pai respondia: Filho, apesar dos muitos anos ainda sinto saudades do meu pai. Quando toco lembro-me dele.

Perdi meu pai no dia 23 de julho, não faz um mês. E esse é o primeiro ano que não tive ninguém para ligar e cumprimentar no dia dos pais. Quando era criança eu ansiava tanto por ele, que sua ausência provocava um caos no meu relacionamento com os outros. Foi Cristo quem pacificou meu coração. Aprendi a memória seletiva. Fiquei apenas com as boas lembranças sem repisar o que passou. Agradeço a Deus pelo que foi, e celebro o que virá.

Digo estas coisas para reforçar uma verdade, que Freud evidenciou, mas que qualquer observador atento poderá concluir: o pai é a coluna afetiva na alma da gente. Ansiamos por paternidade. Nosso relacionamento com ele afeta nossa teologia, nossa capacidade de liderança, nosso trabalho e nossa paz. Por mais injusto que isso possa parecer, o pai afeta a alma do filho mais do que a própria mãe. Lutamos por sua aprovação, brigamos com sua condenação, procuramos por ele em tudo que fazemos.

O GNT, canal por assinatura produz um daqueles raros bons programas da TV, chamado “Em Busca do Pai”. Ali são tomados depoimentos de várias pessoas que demonstram de forma comovente como o pai é central na nossa formação humana. Milton Gonçalves conta como seu reencontro com seu pai foi decepcionante após um abandono aos seis anos de idade. Ele declara: “Um pai não tem o direito de abandonar seu filho.” Logo em seguida o programa mostra a vida de um historiador que desconhece seu pai. A angústia de não saber nem ter ideia de quem é seu pai é evidenciada no lamento que ele faz: “Mesmo sendo pai, ainda hoje o dia dos pais é um dia difícil.”

Por força dessa experiência tão comum em uma sociedade em que as mães dão de 10 a zero nos pais, que os filhos ficam tão vulneráveis a outros pais perigosos:

Namorados canalhas

Traficantes.

Líderes abusivos.

Filosofias ateístas.

Como você se sente em relação ao seu pai? O que você sente vai liberar um destino para sua jornada. Antes de dar continuidade na sua vida, você precisa resolver essa questão central.

Alguns sentem ódio. Existem pais que palmilharam o caminho do inferno em suas vidas e foram especialistas em impingirem sua maldade sobre seus filhos. As marcas de sua perversidade é um peso para você. Mesmo assim para o bem de sua alma o único caminho de saída para o ciclo do ódio é a porta do perdão. Saia por ela. É uma decisão que Deus vai lhe ajudar a fazer.

Outros sentem idolatria. Às vezes a sombra de um pai altamente competente nos paralisa e assombra de tal forma que preferimos fugir de uma vocação, ou de tentar ser bem sucedido escondendo nosso medo por detrás de um comportamento transgressor.Pense nisso e liberte-se dessa imagem opressora para poder ser quem você é, pela graça de Deus.

Alguns sentem profunda decepção. A quem vive isso quero lhe dizer: lembre-se que seus pais herdaram também a limitação dos próprios pais. Lembre-se que você vai falhar também. Lembre-se que os pais que parecem ser perfeitos com os quais você compara seu próprio pai, na intimidade também revelam suas maldades.

Alguns sentem distância. Se você não consegue proximidade com seu pai, tenha cuidado para que você não transfira para todas as figuras de autoridade essa mesma distância. Abra seu coração para que alguém abençoado possa ser um pai substituto, um pai espiritual.

Alguns sentem saudades.  Fique em paz com suas saudades. Nem tente apagar isso do seu coração.  Simplesmente dê graças a Deus porque a saudade é o cheiro de vivências boas que nossa alma guardou dentro de si.

Alguns sentem culpa. Pelo que disseram ou  pelo que não fizeram ao pai que já não está mais aqui. Ora, na cabeça de quem fica parece que faltou mais um abraço, mais um beijo. Perdoe-se, pois Deus perdoa. Olhe para Jesus, pois Ele não vai te acusar.

Que o Senhor nos dê graça.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

 

Não posso ser o melhor amigo do meu filho!

Fabrício Carpinejar, no Blog do Carpinejar

Não posso ser o melhor amigo dos meus filhos, mas realizar uma oposição criativa.

Tenho que dizer coisas desagradáveis que nenhum melhor amigo diz, como “tá na hora de tomar banho!”, “acabou o tema?”, “não volta tarde”, “põe o casaco”.

Sou pai, necessito orientar, não concordar sempre e falar amém para aventuras.

Não quero mesmo que meus filhos contem tudo, quero que saibam que podem me contar tudo.

Não preciso saber seus segredos para que eles tenham confiança em mim.

Que possam manter um pouco de sua intimidade até longe de mim para que eu não fique toda hora opinando.

Ser pai é um papel difícil, é segurar o sim, é segurar o não, jamais temer tomar partido.

Pai não fica em cima do muro, é o muro.

É limitar as vontades, ser determinado, firme.

Sem meio-termo: errar e pedir desculpa, acertar e comemorar.

Não posso ser legalzinho. Pai legalzinho demais tem culpa no cartório. Tem medo de perder o filho e faz todas as vontades dele. Fazer todas as vontades do filho é perder o filho.

Posso ser legal. Isso sim. Legal. Filhos vão gostar de mim e vão me odiar.

Vão gostar de mim me odiando.

E preciso permitir que os filhos me odeiem. Que me critiquem. Que me xinguem.

Para eles poderem me superar, ser melhor do que eu.

Que falem mal de mim nas costas. Mas nas costas. Que é preciso ter educação até para falar mal. Falar mal do pai é unir os irmãos – eles têm um assunto em comum.

Passarão vergonha com meu amor. Gritarei gol durante os jogos da escola, contarei piadas sem graça para seus amigos. Terão orgulho também de mim. Quando algum professor perguntar o que eles são do Carpinejar.

Pai é passar da idade, é envelhecer para o filho entender que é de outra geração.

— Não viu essa banda no Youtube, pai? Que bizarro…

Pai é a honestidade da lembrança. É a franqueza do gesto. É a responsabilidade.

Assumir o que se vive, não ficar procurando culpados.

Ser pai é dar a cara ao tapa esperando o beijo.

Estudo diz que universitários estão mais individualistas

Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

Estudo inédito realizado com 17 mil estudantes de universidades católicas espalhadas por 34 países dos cinco continentes destaca que os jovens estão mais individualistas. A constatação é baseada em análise preliminar da pesquisa realizada pela Fiuc (Federação Internacional das Universidades Católicas), apresentada durante a 24ª assembleia da federação, realizada no Centro Universitário da FEI, em São Bernardo, até hoje.

O resultado do trabalho feito com jovens de 16 a 30 anos mostra que a maior parte deles não confia nas instituições políticas, que receberam nota 1,9 em avaliação de zero a 10. Com isso, aumenta a autoconfiança e a busca por resultados pessoais, explica a socióloga e professora Rosa Aparicio Gómez, do Instituto Universitário Ortega y Gasset, na Espanha, responsável pelo estudo.

Quando questionados sobre quais projetos os universitários gostariam de colocar em prática nos próximos 15 anos, 62% gostariam de ter bom trabalho, 45% de formar família e apenas 5% desejam envolver-se em projeto social.

Outro ponto que merece destaque é o uso da internet. Em média, os estudantes passam de duas a quatro horas na frente do computador, sendo que as redes sociais consomem mais tempo. “Dá impressão que os jovens substituem os amigos pela internet”, aponta a socióloga.

Apesar de não ter dados que mostre o perfil do jovem brasileiro, Rosa destaca que o País difere dos vizinhos da América Latina e se aproxima mais dos países emergentes, como a Índia. Uma explicação provável, segundo ela, é o momento de ‘abonança econômica’.

A análise indica ainda que as mulheres são maioria – 64% dos entrevistados, da mesma forma que os estudantes de classe média – 73% deles. A principal razão para que os alunos estejam na universidade é a busca por emprego (91%).

Rosa destaca que nos próximos oito meses pretende publicar livros com análises aprofundadas sobre o estudo. A expectativa é que a pesquisa seja utilizada pelas universidades como instrumento para melhoria da educação.