As Surpresas Desconcertantes do Reino

O texto de Mateus 7:21-23 me chama a atenção e incomoda desde sempre. Lá nós vemos relatados por Jesus pessoas que exerciam atividades que todos reconheceriam como espirituais e importantes do ponto de vista do avanço do Reino de Deus na terra. Expulsar demônios, curar, adorar são relatados na passagem.

No entanto essas pessoas não são conhecidas por Deus, e, por conseguinte também não conheciam a Deus. É um paradoxo trágico a possibilidade de fazermos o trabalho do Reino, mas não conhecermos ao Rei. Sermos engolidos pela adrenalina do dia a dia, pela emoção dos resultados, mas sem que isso faça uma diferença entranhada na vida da gente. Sem dúvida é uma advertência que não posso tomar como direcionada a outros, já que eu mesmo faço todas estas coisas no meu dia a dia. Eu posso ser um desses, só que não quero ser um desses nervosinhos por Jesus.

A leitura dessa passagem me leva a pensar em Sansão e Davi. Do ponto de vista ético, os dois foram um fracasso com as mulheres e família e Davi acrescente-se matou um homem íntegro em nome de uma paixão. Quando descubro que foi chamado de homem segundo o coração de Deus, as coisas ficam ainda mais nebulosas. Esse homem não merece esse epíteto tão honroso, é o primeiro pensamento que me vem a mente. Mas quem mereceria, a graça sussurra no meu ouvido. O diferencial entre os personagens que se movem no cenário bíblico é relacionamento.

A ética é importante, a obediência fundamental, mas nada é mais importante para Deus do que nosso andar com ele. Davi como todos nós tinha muitas coisas das quais gostaria de esquecer, mas mesmo assim viveu cada uma delas na presença de Deus. O seu pecado e arrependimento fica registrado em Salmos. Quem se atreveria a tanto no mundo cosmético dos evangélicos? Suas vitórias são celebradas na presença de Deus a ponto dele perder a roupa dançando de alegria. Quem quebraria tantos protocolos litúrgicos no mundo previsível dos crentes? Sansão por sua vez orgulharia uma geração que tem sangue na boca e curte UFC. Ele era um vencedor e satisfazia o desejo de desforra da nascente e combalida nação de Israel. Cumpria um ministério, só que sua relação com Deus nunca avançou a linha de empregado e patrão. Talvez por isso ele passe para história como uma figura patética, infantil e decadente. Ação sem coração produz condenação.

Na outra ponta do evangelho (1) eu topo com outro texto desarmador de teologia. O cara chega ao juízo final, e recebe um elogio que nunca buscou, por uma ação da qual nunca foi consciente. Ele simplesmente foi compassivo  com quem tinha necessidades pessoais de roupa, comida e visita. Ele não tinha fotógrafos perto dele, não publicou no facebook, não pediu doações. Simplesmente moveu-se a partir do coração sem grandes estratégias. O texto me leva a uma série de questionamentos:

Será que minhas ações corretas levam com elas um coração cheio de simples compaixão?

Será que fazer algo em nome de Jesus, é apenas invocar as letras do nome, vestir uma camiseta, como quem coloca um código de barras?

Será que não seremos tomados de surpresa pelas pessoas que encontraremos no final de todas as coisas?

A conclusão inescapável pra mim é a seguinte: no Reino é a doação sem pretensão que gera promoção. Os grandes acontecimentos do Reino parecem escapar dos holofotes para habitarem nas ações sem a neurose nervosa de nossa cultura.

Que a rotina do dia a dia, sua agenda e seus deveres não roube a dimensão mais importante da fé, a simplicidade de viver, sentir e agir como filho amado. É assim seu coração?

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

(1)    Mateus 25:31-46

.

Oito coisas que você pode comprar, mas que não valem a pena

Na InfoMoney

SÃO PAULO – Gastar dinheiro com coisas inúteis é um mau hábito de todos que, somando todos os gastos no final do ano, acaba se tornando um grande desperdício. O site LearnVest listou 8 despesas desnecessárias que fazem diferença no seu bolso.

1- Taxa de saque: quando você vai sacar dinheiro no Banco 24 Horas é paga uma taxa, após os quatro primeiros saques do mês, que varia  de um banco para o outro, mas, em média, custa R$ 2,00. Este gasto pode ser evitado se  a pessoa retirar dinheiro no caixa do banco onde tem conta, ou sacar uma quantia que dure o mês todo. Para se ter uma ideia, ao realizar 8 saques em bancos 24 horas no mês, considerando os quatro saques sem tarifa, você gasta R$ 8,00. No final do ano serão R$ 96 economizados.

casal - cinema 3D - diversão

2- Roupas: cuidado na hora de comprar roupas, avalie se precisa de alguma peça e use a regra de “um dentro, um fora”. Ou seja, para cada par de sapatos que omprar, tire do armário um par antigo. Se evitar gastar R$ 50 por mês, a economia anual  será de R$ 600.

3- Bilhetes de loteria: muitas pessoas acreditam que ganhar na loteria é a única maneira de se tornar financeiramente seguro, contudo a chance de ganhar é de cerca de 50 milhões para 1. Comprar bilhetes de loteria é um exercício divertido de pensamento positivo, mas, segundo o site, a verdade é que pessoa está, essencialmente, jogando dinheiro fora. O valor mínimo de uma Mega-Sena, por exemplo, é de R$ 2,00 (6 números), se a pessoa jogar toda semana, nos dois sorteios existentes, em um mês são R$ 16, o que, ao longo do ano resultará em um gasto de R$ 192.

4- DVDs e CDs: caso você seja um fanático por filmes ou adore música, considere utilizar serviços como o Netflix ou o Hulu Plus, em vez de comprar um DVD ou CD. Enquanto o DVD tem custo em torno de R$ 35 (segundo informações do site Buscapé), o Netflix, por exemplo, custa R$ 15 por mês e permite assistir quantos filmes quiser. Assim, comprando um DVD por mês, por exemplo, o gasto será de R$ 300 por ano, adquirindo o serviço  este valor cai para R$ 180.

5- Almoço: em vez de almoçar todos os dias fora, que tal aproveitar para levar comida de casa ? Outra alternatvia é montar, se for possível, o almoço no escritório, basta levar a salada crua e cortar na hora do almoço. Caso o tempo esteja curto e seja necessário algo mais fácil, mesmo a compra de refeições pré-embaladas em supermercados será mais barata do que ir a um restaurante, visto que, neste último caso, uma refeição custa em média R$ 20, gerando despesa de R$ 400 por mês e um total de R$ 4.800 anuais.

6- Cinema: filmes 3D são muitas vezes uma forma de as empresas de cinema ganharem mais, já que a tecnologia permite cobrar mais pelo ingresso. Antes de ir ao cinema pergunte a si mesmo o que mais seria possível fazer com os R$ 4 a mais gastos em um filme 3D. Considerando que uma pessoa que vá ao cinema uma vez por mês e o preço do filme 2D a R$ 20, enquanto o do 3D é R$ 24; no final do ano serão R$ 240 (no 2D) e R$ 288 (no 3D).

7- Livros: assim como os DVDs e os CDs, a era digital permite que o texto seja adquirido por um valor mais baixo. Porém, se você faz parte do grupo que prefere ter um livro na mão em vez de um tablet, opte pelas edições de bolso. Além de compactas elas são mais baratas, o livro Dom Casmurro, de Machado de Assis, por exemplo, custa R$ 25,20, no entanto a sua versão em livro de bolso sai R$ 12,90 na Livraria Saraiva. Caso você compre um livro por mês, escolhendo o estilo pocket é possível economizar R$ 147,60 por ano.

8- Água: em vez de comprar uma garrafa de água por dia, que tal encher a garrafinha de plástico com água do filtro? Além de ajudar o meio ambiente, você diminui os gastos no orçamento. Um garrafa de água de 500 ml custa em torno de R$ 1,90, caso você compre uma por dia, no final do ano terá gasto R$ 693,50.

Comida requentada

Quem não tem condições de comer em restaurantes todos os dias, sabe o que é pegar aquele arroz de ontem e aquecer no micro-ondas. Nunca é igual. Comida requentada na vida do trabalhador é um mal necessário, mas quem gosta? Nada como um feijão novinho, um bife suculento saindo da chapa.

No Antigo Testamento, somos informados que Deus sustentou o povo com maná. O ser humano representado pelos israelitas, sempre desejoso de segurança, procurava guardar o maná, assim como nós gostamos de ver nossa despensa e geladeira cheias, muito embora muitas coisas acabem sendo desperdiçadas. Só que Deus disse a eles que não deveriam guardar, e os desobedientes aprenderam que uma vez guardado, o maná apodrecia.

A vida espiritual tem a mesma dinâmica: precisa ser alimentada, e o que foi bom ontem, não nos sustenta hoje. É comum as pessoas caírem na armadilha de descansarem no que viveram no passado com Deus.

Devo confessar que nos últimos tempos, tenho lamentado o ambiente que vivemos para a pregação do evangelho. Acho que era melhor o tempo em que éramos mais impopulares, que para ser cristão precisávamos de coragem, e não havia a contaminação profunda que a economia exerce sobre as igrejas. No entanto sei que esse saudosismo pode se tornar em pedra de tropeço para mim e para muitos das antigas.

As grandes vitórias, os momentos renovadores, congressos, encontros, pessoas das quais temos saudades, ambientes favoráveis, todos são boas memórias a ser cultivadas, mas não são nosso alimento hoje.

Cada dia que nasce, nasce com a promessa de misericórdias renovadas. Precisamos de revitalização, do contrário nossa experiência espiritual torna-se entediada, e não há nada mais vulnerável do que um crente entediado. Entediados ficamos indiferentes a tudo.

Precisamos pedir a Deus que renove nosso senso de pecado. Pecado hoje é falar em pecado. Mas muitos de nós temos tolerado a maldade, sem nos sentirmos inadequados com ela. Precisamos de uma renovação na consciência.

Precisamos renovar nossa capacidade de ouvir a Deus. Damos ouvidos sofregamente as notícias, ao que vai acontecer no futebol, sobre o último lançamento da banda da hora, mas não parecemos ansiosos de ouvir a Deus.

Precisamos renovar nosso apetite pelas coisas de Deus. Quando foi que a Palavra ardeu no teu coração a ponto de fazer você pensar um dia inteiro nela.

Precisamos renovar nosso culto. Você consegue adorar sem que seu pensamento fuja a todo o momento para considerar narcisisticamente sobre como as pessoas e você estão adorando. Simplesmente abandonar-se em contemplação.

Precisamos renovar nosso ministério. Acabamos fazendo “as coisas de Deus” sem andarmos com Deus. Sem carregarmos o inconfundível perfume de quem vive nEle.

Ora, qual é o caminho da renovação?

Precisamos antes de tudo, quebrantamento. Fora de moda falar sobre isso não? Mas não irrelevante! É preciso admitir que estamos falidos. Sem usarmos a Palavra para nos proteger. Crente velho fica malandro nessa arte perversa. Deveríamos dizer como Paulo: miserável homem que sou!

Precisamos renovar nossa aliança, nosso compromisso publicamente. Dizermos as pessoas com nossas palavras e atitudes que estamos tomando o rumo de uma vida diferente hoje mesmo.

Precisamos resistir ao Diabo, que sutilmente, nos faz abandonar uma a uma as coisinhas pequenas que edificam nossa vida. Ele sempre chega devagar para não assustar. Paramos de orar, oramos sem coração, nos afastamos de gente séria com Deus, não consertamos situações, até o ponto da indiferença total.

Precisamos de jejum. Sim, o jejum fortalece nossa oração, e a nossa oração fortalece nossa fé cambaleante. Essa casta da indiferença, não sai sem uma obra profunda de Deus.

E precisamos de gente de Deus e não da religião, que nos ajude com uma palavra de fé.

Sim, tem comida novinha saindo agora na cozinha de Deus. Está servido?

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Marido, você virou filho?

O velho Moisés estava na beira da morte e falava com sua mulher.

“Jane, assegure-se de colocar Davi a cargo da loja quando eu tiver partido.”

“Davi?” ela perguntou, “Por que não Natã?” Ele é um menino inteligente.

Moisés concordou debilmente.

“Ok, mas entregue a caminhonete para o Isaque.”

“Mas o Benny precisa dela para sua família.”

“Tudo bem”, disse o velho Moisés, “dê para o Benny. Mas deixe a casa de campo para a Becky.”

“Querido”, disse a esposa, “você sabe que a Becky odeia o campo. Deixe para a Rosalia.”

“Mamãe”, o velho homem resmungou, “quem está morrendo, você ou eu?” 1

O instinto materno é algo furioso nas mulheres. Mesmo as feministas acabam traídas pelo seu instinto. Em um tempo  que os valores masculinos vão perdendo sua força na mesma medida em que os pais abandonam os lares deixando para trás filhos órfãos emocionalmente e sem referência, os homens sem uma forte referência masculina acabam perpetuando seu estado filial tratando a mulher como uma mãe. Pobre mulher, pobres filhos, pobre homem. Quer saber se você está embarcando nessa? Dê uma lida na lista abaixo e pense.  Você sabe que a mulher virou mãe quando…

  1. Quando você a chama de… mãe.
  2. Quando você não suporta que ela fique descontente com algo que você faz.
  3. Quando você não faz nada sem a sua companhia.
  4. Quando você briga com seu filho como se ele fosse seu irmão.
  5. Quando ela é a única que corrige os filhos.
  6. Quando você faz beicinho e birra para resolver os problemas em vez do diálogo maduro.
  7. Quando você deixa que ela faça tudo em casa sem dar nenhuma ajuda.
  8. Quando ela é que resolve os problemas complicados que exigem enfrentamento pessoal.
  9. Quando ela é muito parecida com sua mãe.
  10. Quando você só se diverte e ela só trabalha
  11. Quando você compra seus brinquedinhos e ela coisas do interesse de todos da família.
  12. Quando você permite que ela trate você como uma criança, chamando a atenção e dizendo tudo o que você tem que fazer.
  13. Quando você não toma nenhuma decisão importante.
  14. Quando você reclama do que acha que está errado em casa, mas nunca faz nada para melhorar.
  15. Quando a atração sexual virou amizade.
  16. Quando ela controla você através do sexo.
  17. Quando você quer muito alguma coisa dela e fala com voz infantilizada.
  18. Quando ela cai doente e você perde completamente o rumo da vida e não consegue ser ajuda.
  19. Quando terminando essa leitura você tem vontade de escrever um montão de desaforos para o blogueiro impertinente que postou isso.

Corte esse cordão umbilical meu amigo.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

1. Storytelling, Imagination and Faith – William J. Bausch pag.213

Para abrir as portas do inferno onde você quiser.

“Também qualquer que disser a seu irmão: ‘Racá’, será levado ao tribunal. E qualquer que disser: ‘Louco!’, corre o risco de ir para o fogo do inferno.”

Mateus 5:22

“Não bombardeiem de críticas as pessoas quando elas cometem um erro, a menos que queiram receber o mesmo tratamento. O espírito crítico é como um bumerangue.”

Mateus 7:1

“A resposta calma desvia a fúria, mas a palavra ríspida desperta a ira.”

Provérbios 15:1

“Façam tudo sem queixas…”

Filipenses 2:14

1. Uma Palavra Bruta.

Quando eu era guri lá em Bagé, eu aprendi essa lição em dois episódios distintos. Eis o primeiro. Como toda turma de antigamente, tínhamos como nosso ponto de encontro um grande cinamomo que ficava em frente a casa de um vizinho que, ora vejam a coincidência era pastor e também funcionário de uma grande estatal. Ele trabalhava a noite, e descansava durante o dia. O quarto dele ficava bem na frente da casa e quando ele queria dormir, nós fazíamos bagunça ao redor da árvore. Um dia depois de tentar dormir com aquele barulho sem sucesso, ele me chamou e disse assim: Fabiano, sei que tu és o chefe da galera, será que tu poderias me fazer um favor? Claro, eu respondi. Poderias pedir para o pessoal não fazer farra durante a manhã, pois eu preciso dormir e não consigo, com o barulho. Prontamente falei com o pessoal, e tudo foi resolvido. Na mesma época,  outro vizinho incomodou-se com nossa presença ruidosa. Só que foi por um caminho diferente. Recordo que era um estudante de veterinária com um filho pequeno. Ele saiu de casa gritando com Deus e todo mundo: Vocês não têm mais nada para fazer? Não sabem que estão acordando meu piá? Saiam já daqui! Ordenou ele em tom destemperado. Saímos todos silenciosamente, sem dizer uma palavra. Parecia tudo resolvido para ele. Parecia.  No dia seguinte, ainda mastigando sem engolir a grosseria, compramos rojões, que se vendiam em qualquer armazém de esquina e na calada da noite atiramos embaixo da janela onde ele dormia com o filho, para depois nos deleitarmos observando   ele enlouquecer de raiva na frente da casa sem avistar ninguém. Essas duas passagens ilustram bem como a palavra  grosseira, rude pode trazer o inferno a tona onde quer que você esteja: igreja, empresa, família e trânsito. Pode demorar, mas volta.

2. Uma Palavra Precipitada.

Quando a Bíblia condena o “julgar” ela não está se referindo a abrirmos mão do senso crítico. O discernimento é um imperativo para o discípulo de Jesus. O que Jesus condena é emitir juízos importantes sobre um assunto ou sobre uma pessoa sem ter conhecimento dos fatos. Estamos viciados em procurar informações na mídia sobre assuntos importantes e ás vezes o pior lugar para obter informação é a mídia. Quando possível, ligue, converse, informe-se. É demorado, mais difícil, mas quem disse que a porta do discipulado é ampla? Paulo Antônio da Silva, um homem humilde de Belo Horizonte viveu os últimos 15 anos de sua vida (cinco deles preso) sob o peso da acusação de estupro. Perdeu a liberdade, o emprego, a saúde e o contato com as filhas e a mulher. A semelhança com o verdadeiro criminoso o colocou no foco das acusações. Este ano depois do verdadeiro estuprador haver sido descoberto, ele respirou aliviado. O fato mostra como nossas certezas podem ser frágeis.

3. Uma Palavra de Murmuração.

A murmuração é dar razão ao ego quando nossa vontade não é feita. Todos têm expectativas em relação ao que a vida vai  oferecer, a todo momento em todo lugar. Quando essas expectativas não são contempladas, nos frustramos, e damos razão a essa frustração e como uma prima dona que não foi atendida em suas exigências de camarim, entramos em um estado de descontentamento crônico. Pense que você está chegando para uma festa. Você foi preparado para sentar em uma mesa em certa parte do salão. Chegando lá, bem vestido, em espírito alegre, você percebe que sua mesa foi ocupada por outra pessoa, e acaba precisando sentar em outro lugar longe de seus amigos. O ego descontente diz a si mesmo: acabou minha festa! E acaba mesmo. O restante daquele momento alegre acaba se tornando um peso para quem está a sua volta e para você mesmo. O problema com a murmuração é que um descontentamento ocasional acaba se tornando em um estilo de vida. O segundo problema é de natureza comunitária. As pessoas que estão ao seu redor tomam sua bandeira e tornam-se queixosos. E o terceiro decorrente deste último, é que os problemas são veiculados, mas nunca resolvidos porque o murmurador profissional acaba fugindo do confronto pessoal com quem resolveria ou poderia resolver o problema. E o pior de tudo, é que viciamos na murmuração a ponto de andarmos como um animal ferido gemendo feridas que não existem apestando os lugares onde pisamos com um estado de ânimo desalentador e desagregador. Se você tem alguma reclamação, não seja covarde, vá ao responsável falar. Já falou? Fale novamente. Mas não fique em um estado de inércia reclamatória. Vejo isso todos os dias no povo brasileiro. Reclamam dos políticos, mas não exercem nenhum tipo de ação de fiscalização ou propõe soluções para solucionar problemas.

4. Uma Palavra de Desprezo.

Nas versões antigas da Bíblia, o texto de Mateus era traduzido com uma expressão gutural do hebraico: Racá, que busca imitar (desculpem os mais sensíveis) o som de quem tira o escarro da garganta. Era uma palavra que expressava desprezo. É muito difícil, fugir do desprezo, mas é bom tentar. O desprezo é o motivo das guerras culturais de toda ordem dentro da sociedade. E parece que todos nós sentimos necessidade de odiarmos alguém. Tenho impressão que é uma maneira de nos sentirmos superiores. O velho e mau orgulho. Desprezamos pagodeiros, sertanejos, pobres, ricos, pentecostais, católicos ou que você quiser, sempre de um ponto de vista que possa nos fazer sentir melhores. Uma compensação para a nossa sempre empobrecida autoimagem. Mas quem é ferido de desprezo, raramente esquece. A música de uma artista que minha filha curte, diz: Quem está rindo agora? A jovem recorda o tempo em que os colegas a desprezavam por ser diferente e agora com o sucesso ela escreve para se vingar. Quem dera as únicas vinganças humanas fosse uma música ressentida. Mas não. O que nós vemos são guerras sanguinárias como as de Ruanda, que pelo desprezo dos belgas por uma etnia que compunha a nação causou um descontentamento que resultou em lutas sangrentas. O inferno aberto.

Se eu fosse você, cuidaria  para não abrir portas para o inferno na sua vida, pois uma vez abertas, são difíceis de fechar.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Como o caráter pode nutrir relacionamentos?

Muita gente que hoje lê esse texto está com problemas de relacionamento. Não pretendo oferecer uma solução fácil, quero oferecer um caminho efetivo para você trazer restauração e nutrição aos seus relacionamentos. Mas não é uma questão de inteligência, é uma questão de caráter. Vejamos:

1. Humildade.

Qual é o resultado do contato das pessoas com você? Elas saem de um encontro com você destruídas a respeito delas mesmas, ou animadas a darem passos para serem melhores. Meu estilo crítico escondia a arrogância do meu coração quando ainda era jovem. Uma porção de fracassos, sensação de isolamento e a ajuda de gente que eu amava fizeram com que eu mudasse minha abordagem com as pessoas.

Você é exibido? Você faz propaganda de seus dons, ou procura reconhecer os dons dos outros. Quem gosta de falastrão é jornalista.

Porque os filhos acabam se distanciando dos pais? Porque não veem seus pais compartilharem lutas e dificuldades.

Muitas vezes a chave da solução de um problema não está na inteligência, mas na humildade.

2. Estabilidade.

Tem gente que nunca sabemos o que esperar deles. Podem estar brincalhões, e em outro momento estão mal humorados.

Às vezes podemos contar com eles, às vezes não.

Conheci um homem que era assim. Era de fases. Não é de se admirar que sua vida espiritual passou do legalismo a promiscuidade. E também não é por acaso que fracassou no casamento.

Nossos problemas não devem servir de álibi para a grosseria. O fruto do Espírito é o domínio próprio. As mulheres precisam ter domínio sobre sua TPM. Não podem utilizar como desculpa para infernizar seus maridos. Os homens não podem permitir que os desgostos no trabalho sejam descarregados em casa.

3. Encorajamento.

Encorajamento é a capacidade de reconhecer um trabalho bem feito, assim como o estímulo a uma vida excelente. E as pessoas necessitam terrivelmente serem encorajadas. Quando olho o Novo Testamento percebo que Paulo fez um trabalho intenso de visitas às igrejas que havia fundado. E nas cartas percebemos que grande parte do seu trabalho era o de encorajar os discípulos em uma sociedade hostil. As pessoas se desanimam com facilidade, e uma boa palavra pode fazer maravilhas por elas. Tenho observado em minha experiência que as pessoas têm mais dificuldade de encorajar seus companheiros do que qualquer outro. Mais uma vez a razão disso é a grande carência das pessoas que se reflete na competição selvagem. Assim é que, um professor raramente reconhece outro professor. Um mecânico raramente reconhece outro mecânico. Um vendedor raramente reconhece outro vendedor. Saia hoje mesmo com o propósito de encorajar seus colegas, que fazem o mesmo trabalho que você e veja como a vida pode ficar mais leve.

4. Segurança.

Você precisa respeitar a si mesmo, antes de respeitar aos outros.

Você precisa cuidar o que fala de si mesmo para poder cuidar o que fala dos outros.

Você precisa crer que Deus está contigo, para ser bênção na vida dos outros.

Você precisa ter certeza do amor dos outros para não andar mendigando por aí.

Você precisa se enxergar como Deus te enxerga. A Bíblia me fala em diferentes textos quem eu sou em Cristo. Não quem eu sou aos olhos da sociedade. Em Cristo, sou sal, sou luz, sou embaixador, sou ministro da reconciliação, sou nova criatura.

Até para conseguir um namorado você precisa segurança. Tem gente que vive dizendo: Quem vai me querer? Essa atitude vai minando a confiança e as pessoas vão se afastando. Li em algum lugar: “Se você não se sente bem consigo mesmo, os outros também não vão se sentir.” Simples assim.

 5. Confiança.

Se Jesus foi traído, o que poderemos dizer de nós? Mesmo assim apesar de Judas o haver entregado aos guardas do templo, de Pedro com confissões tão dramáticas haver negado qualquer ligação com ele, e de todos terem fugido na hora decisiva, Jesus confia a eles a evangelização do mundo! Não é impressionante! Continuar confiando apesar das decepções é a graça que precisamos pedir a Deus para gerar em nós a fim de que possamos continuar vivendo o amor nos nossos relacionamentos.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

15 coisas que você deve deixar de lado para ser feliz

Vi no Facebook.

01. Deixe de lado sua necessidade de estar sempre certo;

02. Deixe de lado sua necessidade por controle;

03. Deixe de lado a culpa;

04. Deixe de lado sua conversa íntima de auto-defesa;

05. Deixe de lado as crenças limitadoras;

06. Deixe de lado as reclamações;

07. Deixe de lado o vício da crítica;

08. Deixe de lado a necessidade de impressionar os outros;

09. Deixe de lado a resistência à mudança;

10. Deixe de lado os rótulos;

11. Deixe de lado seus medos;

12. Deixe de lado suas desculpas;

13. Deixe de lado o passado;

14. Deixe de lado as ligações às coisas;

15. Deixe de lado o hábito de viver sua vida de acordo com as expectativas alheias.

Decálogo contra o “voto de cajado”

Paulo Nascimento, em Novos Diálogos

Vi e curti no Pavablog

Dedicado especialmente aos amigos pastores.

I. Não usarás do vosso poder pastoral para guiar a consciência dos fiéis, como um rebanho de idiotados, em benefício de qualquer candidato.

II. Não usarás as Sagradas Escrituras de forma capciosa, a fim de legitimar a candidatura de uns e demonizar a candidatura de outros.

III. Não venderás a tua consciência a candidato algum, em troco de recompensas materiais feitas à tua congregação.

IV. Não permitirás que teu púlpito deixe de ser plataforma de anúncio do Evangelho, para ser plataforma de propaganda partidária e eleitoreira, em tempo algum.

V. Não coagirás nem ameaçarás teus pastoreados que manifestarem inclinações políticas diversas das tuas.

VI. Reforçarás em todo tempo a total liberdade de consciência de teus pastoreados, em matéria de religião e política, ou em qualquer outra coisa.

VII. Instigarás tua congregação à ampliação sempre constante da consciência política, antes, durante e depois das eleições.

VIII. Auxiliarás os teus pastoreados a perceberem que a ação política é muito maior que o voto, estendendo-se a ações individuais, associativas, comunitárias, de movimentos sociais, e que tais ações são tão potentes quanto o voto para as mudanças que todos desejam para a pólis.

IX. Conduzirás tua congregação de um modo que a mesma seja politicamente pertinente na comunidade onde está inserida.

X. Terás vergonha na cara em todo o tempo, também nos tempos de eleição.

Adeus a um cara complicado

“Jesus dizia a todos: Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome diariamente sua cruz e siga-me.”

Lucas 9:23

Quando me deparo com a ordem e o pré-requisito de Jesus, que preciso negar a mim mesmo para poder segui-lo, a sensação que tenho é de morte. Isso toca a parte essencial do meu ser. Quem não se sentiria assim?

Mas quando me ponho a pensar em quem é esse tal de “si mesmo” já começo a cogitar uma mudança de pensamento.

Esse tal do “si mesmo” é realmente um cara complicado!

Ele se isola das pessoas procurando só o que é bom para ele.

Ele não liga para o sentimento dos outros.

Ele quer sempre o primeiro lugar nas atenções e nos privilégios.

Ele procura sempre ser servido e se esconde quando precisa servir.

Ele nunca está satisfeito com nada. Nada mesmo. Nem com pouco nem com muito.

Ele é cego para os próprios problemas.

Ele não leva desaforos para casa. Trama o mal com sutilezas. É vingativo.

Ama as coisas e usa as pessoas.

Sempre quer algo diferente, e ao mesmo tempo não quer.

Faz o mal, e depois tira o time de campo. Dá o tapa e esconde a mão.

Tem medo que lhe tirem o lugar, e qualquer crítica já se constitui em ameaça.

Ele teima em não reconhecer quando está errado, mesmo diante das mais claras evidências.

Ele desliga quando os outros estão falando, mas quer toda atenção quando fala.

Diante desse perfil, só posso dizer: Ok Jesus, definitivamente esse realmente não é um bom cara para seguir. Estou contigo agora e sempre.

O discípulo gaudério.