A lágrima mentirosa.

Um estudioso que eu não lembro o nome observou que depois do cristianismo conquistar o mundo, a vítima, até então desprezada pelo mundo antigo como uma derrotada, começou a ser levada em consideração pelas pessoas em razão de que Jesus teria sido a vítima divina da maldade humana. A partir daí as minorias começaram a ter uma atenção maior. O infanticídio começou a ser combatido entre cristãos, crianças que eram abandonadas em praças públicas por serem defeituosas ou por serem  do sexo feminino foram cuidadas. Enfermos abandonados por suas famílias que acreditavam que elas eram canais de maldição eram acolhidas nos lares dos seguidores de Jesus que entendiam que aqueles que sofriam deveriam ser cuidados como Jesus fez quando esteve na terra.

Como tudo que é bom na raça humana repete a história do Éden, o ser humano perverteu a legítima preocupação com as pessoas afetadas pela opressão dos outros para esconder-se atrás da máscara da vitimação. Ao perceberem que a vítima sempre tem a simpatia dos outros, os espertos e  mal intencionados não poupam esforços artísticos para torcerem situações e se colocarem como oprimidos. Dessa forma elas conseguem ter a atenção, os benefícios pelos quais não querem suar, e tantas outras coisas que repousam em seu colo sem o menor esforço. Ah, como há lágrimas mentirosas nesses tempos, ah como precisamos aprender a discernir.

Uma pessoa com quem convivi, na tentativa de fazer com que amigos em comum partilhassem de uma postura favorável  a ela em um conflito, foi capaz de inventar uma circunstância humilhante na qual eu era o vilão e ela era a vítima. Arquitetou uma situação fantasiosa com requintes de detalhes e lágrimas nos olhos capazes de granjear a simpatia deles imediatamente.  Como não sou de muito chorar, e costumo resolver meus problemas usando mais razão do que emoção,  perdi momentaneamente a simpatia e a solidariedade dos meus amigos. A situação me fez refletir, e muito. Será que tem que ser assim? Então comecei a observar quem se faz de vítima e percebi que eles viviam a mais arrastada das existências.

Refleti também sobre Cristo. Será que ele morreu para nos ensinar que se fazer de vítima é uma ótima opção de vida. Um estilo de viver esperto. Então lembrei a resposta de Jesus ao choro das mulheres de Jerusalém no momento da crucificação: “Filhas de Jerusalém, não chorem por mim. Chorem por vocês mesmos e por seus filhos. “ (1) Em outras palavras Jesus estava dizendo: chorem pelo que tem que ser chorado. Não tenham pena de mim!

Quando olho para Jesus não vejo o pobrezinho que foi até a cruz, vejo minha maldade que está latente e que frequentemente me leva a arremeter-me contra o que Deus traz a vida. Vejo uma mensagem de esperança de que nossa maldade jamais poderá sepultar permanentemente os propósitos de Deus. Haverá ressurreição, mais poderosa do que nunca.

A vitimação é uma condenação à miséria permanente. Não ensine seus filhos a ser coitadinhos, isso é tirar deles a fibra interior. É certo chorar, enfrentar dias de luto, rasgar a alma diante de Deus, mas há uma hora de dizer chega, que é pra gente não começar a gostar demais da situação.

Outro dia vi um vídeo do Morgan Freeman, que desaprovava o dia da consciência negra e que talvez tenha sido mal entendido que você pode ter acesso aqui.  Entendi o que ele quis dizer: definir-se como vítima é pouco para a história de qualquer povo ou raça. É certo que em muitas circunstâncias de nossa vida, fomos injustiçados e oprimidos, mas essa não pode ser toda a história. Tem que haver o outro lado, o lado da reação, da atitude perseverante, amorosa, que não se amargura e não cede ao ódio heroico, mas  segue em frente.

Para finalizar, uma palavra a você que é discípulo de Jesus:

  1. Não resolva seus problemas em meio ao choro, nunca algo objetivo e profundo sai daí.
  2. Não se apresse a tirar conclusões a partir das lágrimas, peça discernimento a Deus.
  3. Não importa o que possam ter feito a você, você sobreviverá pela graça de Deus, e será (se assim o crer) mais forte do que nunca para glória de Deus. Se o mundo não ama o discípulo de Jesus, ele não  lamenta, apenas se joga nos braços daquele cuja essência é acolher.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

(1)    Lucas 23:26-31

2 pensamentos sobre “A lágrima mentirosa.

  1. Realmente temos que pedir discernimento e perdão de Deus, para não julgarmos aquilo que não temos conhecimento, mas eu creio que Deus está no controle de tudo, Jesus disse: no mundo tereis aflições; Eu venci e vós também venceram.

  2. Tche, amigo fabiano tenho saudades das mensagens pregadas por vc aqui em Bagé, que sabedoria, espero que o senhor derrame ainda mais desse manjares que tem derramado sobre vc. Em nome de Jesus, Paz e graça…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s