Meu encontro com a santa

Ontem fui visitar uma mulher santa.

Talvez a mais santa que conheci.

Aquele tipo de pessoa que a Bíblia se refere como “de quem o mundo não era digno”.

Escondida em um bairro pobre da cidade de Pelotas, resplandece o resultado de uma vida sujeita ao Senhor.

Como uma vela que chega ao fim, assim é o seu corpo. A gordura que restava vai se secando, a voz é fraca e o raciocínio lento. Mesmo assim a luz que nela habita se sobressai na fraqueza.

Ela sabe que os seus dias estão acabando. Diante da certeza da morte, os pensamentos ficam claros. Os dela não sofreram alteração. Continuam vivos como sempre foram. Talvez porque sempre tomou sobre si o morrer de Jesus.

Li a Palavra. Enquanto lia, aquele corpo frágil exaltava a Deus no prazer de ouvir a Palavra. Peguei sua mão e orei. Enquanto orava senti um impulso dentro daquele quarto de me ajoelhar e pedir que ela orasse por mim. Afinal “o superior abençoa o inferior” como diz o escritor de Hebreus. Não o fiz, pois seria muito egoísmo. Ela precisava de mim. Ou não. Mas não tenho dúvida, minha coroa não se comparará a dela quando a realidade do céu se revelar na terra. Só a graça explica como posso dirigir quem está à frente de mim.

Tudo que ouvi ali foi contentamento, alegria, e coragem pessoal. Nem o mínimo resquício de medo.  A mais pura beleza espiritual.

Ela se lembra da comunidade na qual foi ativa durante mais de 25 anos. Pede que expliquemos o porquê ela não está mais presente.  Como último desejo, quer participar de uma reunião. Durante anos, com chuva, com sol, com frio aqueles passos lentos estiveram na nossa história ministerial justificando os pequenos sacrifícios pessoais que fazíamos, afinal se a Dona Rosa podia, nós também deveríamos fazê-lo.

Ontem eu pude experimentar a convicção de que a Vida é muito mais poderosa do que a morte. O poder da ressurreição se manifestou a mim como nunca antes. De fato Deus não habita em templos feitos por mãos humanas, mas sua glória visível pode habitar um templo plenamente humano. Eu sei.

Obrigado Dona Rosa, por transbordar a graça a ponto de nos encharcar. Só o reino vindouro poderá revelar totalmente a sua nobreza aqui na terra.

Um abraço quebra costelas

O discípulo gaudério

3 pensamentos sobre “Meu encontro com a santa

  1. Quando paro para pensar no texto e no que conheço desta serva, me emociono e peço a Deus que me um pouquinho só, desta perseverança e amor, da minha querida irmã Rosa.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s