Guia para jovens entenderem pais comuns

fatherhood-how-many-kids-1090458-TwoByOne-1024x512

Quer saber?

Saiba.

  1. Toda bronca também é uma declaração de amor.
  2. “Eu não sou sócio da CEEE”. Um dia você também vai repetir essa frase.
  3. Eles enxergam os perigos melhor do que você. Eles não falam metade do que enxergam, porque você não acreditaria em 90% delas.
  4. A maioria das coisas que você desfruta hoje é fruto das renúncias que ele fez.
  5. A maioria dos seus amigos não são tão amigos quanto você pensa. Um dia você vai perceber isso. Ele já sabe.
  6. Você não é capaz de cuidar direito de um cachorro  e seu pai está lutando para cuidar desse ser humano incrivelmente complexo que é você. Você acha que é fácil?
  7. Você está aprendendo a ser gente, seu pai está aprendendo a ser pai.
  8. Cada pessoa constrói sua história em cima dos alicerces que recebeu. Conheça um pouco da história do pai do seu pai.
  9. Cada pai tem seu jeito de dizer “eu te amo.” Aprenda logo qual é o do seu pai e aceite.
  10. É bem provável que uma migalha de afeto sincero sua possa representar um banquete para ele.

Abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Procura-se um pai

pai

Procura-se um pai…

Aquelas três adolescentes na praça Coronel Pedro Osório, disputando um cigarro de maconha em plena luz do dia como quem divide um chocolate.

O super realizador, que não se satisfaz com resultados extraordinários nem com a admiração dos seus pares e os puxa-sacos de plantão.

O menino brigão, que não tolera a mínima frustração e que mantém a ditadura do medo sobre todos ao seu redor.

O bêbado que olha para o próximo martelo de cachaça como quem busca na multidão um rosto conhecido.

A criança livre no meio da rua, que conversa com cada caminhante como se fosse um velho conhecido.

A mulher que estudou os homens para devorá-los,  que pesa cada palavra, calcula cada detalhe do visual em busca de um certo olhar que faltou.

O artista extraordinário, que no fim da apresentação olha a platéia irrompendo em aplauso efusivo sem se contentar, pois procura no rosto de todos o olhar de um só.

A guria da balada que rodopia a noite inteira a beber vida dos beijos de tantos homens diferentes sem nunca se saciar.

O funcionário que chora desesperadamente a orfandade da demissão impiedosa.

O menino vassalo das ordens do dono da boca de fumo que imagina ser o súdito orgulhoso do rei.

Procura-se um pai para que a vida tenha sentido, raiz, e ponto final.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.