A igreja narcisista

“Não havia nada de belo nem majestoso em sua aparência, nada que nos atraísse.”

Isaías 53:2

“Vejam a grande cidade da Babilônia! Com meu próprio poder, construí esta cidade para ser o centro de meu reino e para mostrar o esplendor de minha majestade.”

Nabucodonosor, rei da Babilônia

Quando a igreja absorve a cultura e como ela, conforma-se ao narcisismo reinante…

1. O foco da pregação é agradar os ouvidos das pessoas. O pregador se pergunta: o que as pessoas querem ouvir, em lugar de o que o evangelho tem a dizer a elas.
2. O crescimento da igreja se dá por meio de aliciamento público e pessoal que promete protagonismo ministerial. Venha para cá que seu ministério vai se destacar.
3. Os líderes tentam manter as pessoas contentes o tempo inteiro.
4. A igreja ostenta seus números, e virtudes em lugar da beleza de Cristo e sua obra.
5. A convocatória é “Deus vai realizar seus sonhos”, em lugar de “Vamos edificar o Reino de Deus”.
6. A autoestima é mais importante que a obediência.
7. O grande foco missionário é a visibilidade dos grandes centros urbanos e não onde o evangelho é mais necessário.
8. Igrejas pequenas se sentem inferiores.
9. A fama é mais importante que a fidelidade.
10. O conhecimento de estratégias de marketing é mais profundo do que o conhecimento das Escrituras.
11. Os números elásticos silenciam qualquer questionamento sobre a natureza de um ministério.
12. A congregação é homogênea: só idosos, só jovens, só profissionais, só empresários.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s