O churrasco de despedida de Eliseu

Grandes tarefas não são para quem quer experimentar. É preciso antes de qualquer empreendimento avaliar a grandeza e a dignidade do mesmo.

Depois de avaliada a situação, não podemos mais negociar, ou perguntar aquilo que já sabemos, pois isso tirará o ímpeto e a força criativa que precisamos.

O erro de Balaão, foi ouvir os argumentos dos enviados de Balaque quando já havia recebido uma palavra definitiva de Deus: Números 22:1-20.

Dessa forma, muita gente fracassa no casamento porque deixa o plano B do divórcio habitar suas cogitações. Na verdade isso acaba se tornando um vazamento do foco para construir um grande relacionamento.

Tem muito líder, pastor desenvolvendo seu ministério pensando em sair do lugar onde está, e acaba não fazendo um bom trabalho e também não encontra alegria nenhuma.

Meu conselho a você: pare de tentar. Elimine essa palavra do seu vocabulário. Diga: vou fazer! E feche a porta da desculpa para fugir da raia.

Se você acha que está em um momento de transição, saiba que você precisa sempre deixar para trás algo construído e um sucessor capacitado. Há sempre algo maior que nós mesmos em jogo.

Faça como Eliseu quando chamado para ser discípulo do profeta Elias. Sua vida anterior era levar uma parelha de bois. Ele então queima a parelha e faz um churrasco dos seus bois como uma excelente forma de celebrar o novo tempo e dizer aos outros e a si mesmo: pra cá eu não volto mais. I Reis 19:19-21.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Como domar um potro chucro?

Acordo pela manhã.

Abro as janelas..

Deixo o cachorro sair.

Faço um suco de limão.

Tomo o medicamento para a hipertensão.

Preparo meu chimarrão.

Sento para ter um tempo com Deus e estendo a mão para pegar o celular que guarda as canções de adoração que selecionei para o devocional diário.

Tudo certo na minha sacrossanta rotina.

Procuro os fones que tornam esse hábito mais recluso e não os encontro. Como deixei em lugar certo, sei que alguém deve ter pego sem avisar.

Em apenas dois segundos fico possesso… de ira.

Todo o clima bucólico celestial se transforma em um furacão descontrolado cuja realidade só eu percebo. Resolvo o problema.

Sento a mesa e logo penso: tanto por tão pouco!

O texto do profeta Jonas então ribomba na minha alma quase que instantaneamente: É justa essa tua ira? (1)

Pelos teus fones?

Pelas coisas fora do lugar?

Por alguém que não te olhou?

Pela tua porção que foi esquecida?

Porque teu sangue não ferve o suficiente quando não cumpres tuas promessas?

Porque não ferve quando a injustiça não é contigo?

Sinto vergonha e peço perdão. Outra vez a Palavra me derruba desse potro selvagem que se solta porteira a fora de vez em sempre.

Para completar a sova de laço me deparo com essa frase de Dietrich Bonhoeffer nas páginas do meu livro:

“Senhor, mesmo que nos dês a beber o cálice amargo do sofrimento, cheio até as bordas, nós o aceitamos gratos e sem tremer, pois ele vem de tuas mãos boas e amadas.”

O fato de saber que essas palavras foram escritas com sangue só aumenta o impacto dentro de mim e me desconserta.

Sei que o morrer de Jesus também inclui coisas menos heroicas do que lutar contra o nazismo. Coisas do tipo: não dar razão a si mesmo tão rapidamente.

Talvez seja essa atitude descuidada que acabe nos custando relacionamentos queridos ou tenha manchado sua história de uma forma que você lamenta até agora.

A ira é sedutora, e se apoia em três argumentos falsos para tomar conta da situação:

  1. sou incontrolável
  2. preciso sair agora e
  3. posso resolver seus problemas imediatamente.

Os pesquisadores nos informam que: “Com ira, o sangue flui para as mãos, tornando mais fácil pegar uma arma ou golpear um inimigo; os batimentos cardíacos aceleram-se, e uma onda de hormônios como a adrenalina gera uma pulsação, energia suficientemente forte para uma ação vigorosa.”

Nessa hora a frase de Deus a Jonas pode ter o poder de desmontar essa bomba atômica: é justa essa tua ira?

Pergunte muitas vezes quando a bomba estiver pronta para ser detonada ou aguente as consequências.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

(1)  Jonas 4:9

Oito frases que podem resolver 80% dos seus problemas

Preste atenção nas frases que você vai ler.

Cada uma delas representa uma ponte para a verdadeira comunhão, o êxito e a paz.

São fáceis de falar, mas difíceis de ouvir.

Em comum elas tem a humildade. O orgulho é a grande trava para que elas sejam evitadas.

Ele, sempre ele, é e sempre será nossa maior limitação.

Orgulho e burrice, andam de mãos dadas.

1. “Vamos trabalhar juntos?”  Não existe nada mais humilhante para alguém que acha que tem todas as respostas e que se vê melhor do que ninguém do que ter que depender de outros. Trabalhar em equipe na mente arrogante é  a mediocridade institucionalizada. No entanto se você quiser fazer algo realmente grande, precisa aprender a trabalhar com outras pessoas.

2. “Eu não sei!” Li em algum lugar que o brasileiro tem uma grande dificuldade em reconhecer sua ignorância. Não sei se é exclusividade tupiniquim, mas a maioria das pessoas que conheço tem dificuldade em dizer essa frase. As pessoas vão enrolando, falando coisas vagas ou até desviam o assunto para não ter que dizer simplesmente: “eu não sei”. Ah essa frase é o portal do conhecimento. Quando dou aulas costumo repetir a seguinte sentença para meus alunos: “não existem perguntas tolas, existem tolos que não perguntam”. Aliás, esse é o maior sintoma de quem assume sua ignorância: faz muitas perguntas. Nesse quesito, admiro muito os americanos. A maioria dos que conheci chega aqui e pergunta tudo que podem. Os brasileiros de sua parte até fazem piada pensando que os gringos são muito bobos, quando na verdade eles são muito espertos, pois estão aprendendo enquanto perguntam.

3. “Foi mal, eu errei.” Casamentos são destruídos pela ausência dessa simples frase. Já conversei com mulheres e homens que desabafam amargurados depois de anos com problemas: ele(a) nunca reconhece que está errada(o).  Patrões, companheiros de trabalho e tantas outras ocupações teriam seu ambiente revolucionado se fosse criada a cultura de dizer essa frase que destrói a muralha da distância.

4. “Que grande trabalho tu fizestes.” O encorajamento faz milagres. Mas ele precisa ser sincero. Outro dia comecei a jogar futebol com uma turma que eu não conhecia, a exceção de um amigo da igreja. Eu gosto muito de fazer gols. Só que neste jogo o goleiro adversário conseguiu vantagem na maioria dos lances. O que muito me admirou foi a idade dele: 57 anos. Ele não era tão flexível, mas era muito inteligente para fechar os ângulos dos atacantes. No final do jogo, eu fui até ele e disse: “Seu Antônio, o senhor é muito inteligente para jogar. Parabéns. “ O rosto dele se iluminou imediatamente. Fomos sentar naquela tradicional roda após o jogo, e o homem não parou de falar comigo. É o poder do encorajamento, que está ao seu alcance também, todos os dias, a qualquer hora.

5. “Estou/estava com saudades de ti.” Confessar a importância dos outros na nossa vida é um lamento das pessoas em muitos funerais. Eu não quero deixar para falar nesse momento. Quando alguém é importante para mim, faço logo ela saber. Ah, como isso diminui a distância, pois as pessoas muitas vezes ficam longe porque pensam que estão nos incomodando.

6. “Reconheço que não fiz nada sozinho.” Por mais prosaicos que sejamos todos nós temos momentos gloriosos na vida. Nessa hora é preciso nos guardar da embriaguez que as conquistas sempre trazem. É preciso lembrar que muita gente nos ajudou de diferentes maneiras. Mesmo que alguns tenham falhado ou ficado aquém de nossas expectativas nunca ficamos  sem alguma ajuda. A humildade nos manda que nos lembremos dessas pessoas. Que não sejamos impostores em momento tão importante.

7. “Acho que precisamos conversar.” A Bíblia manda que resolvamos nossas pendengas antes que o dia termine. Mas o que acontece é que ficamos discutindo mentalmente quem deve ir a quem. Às vezes percebemos que algo não está bem. Que o clima do relacionamento está diferente, mas acreditamos que procurar saber o que está mal, é um demérito para nós. Mas não é não. Quanto mais tempo um problema se alonga, mais fantasmas vão sendo criados na cabeça de quem está envolvido. Se você costuma tomar sempre a iniciativa do diálogo, saiba que você não é um tolo, mas um grande sábio.

8. “Tu podes me ajudar com isso?” Tem gente que vive reclamando da vida. Que está abandonado, que ninguém se lembra dela. Mas jamais pede ajuda. Espera que os outros adivinhem. Nunca tive problema com isso. Talvez por ser caçula e me acostumar a pedir ajuda ao meu irmão mais velho. O fato é que minha experiência infantil tirou qualquer dificuldade para pedir ajuda. E sabe o que acontece? Sempre tem gente boa que estende a mão para me ajudar. Você pode experimentar o mesmo é só praticar.

Agora que você já sabe as frases, o que está esperando para derrubar muralhas?

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Diga “não”!

“Eu sabia que eles pretendiam me causar algum mal; por isso, mandei dizer:  Estou ocupado com um trabalho importante e não posso ir agora. Por que interromperia o que estou fazendo só para me encontrar com vocês?”.

Neemias 6:2,3

Diga “não”.

Diga em alto e bom som!

Diga logo, sem titubear, sem deixar lugar para dúvida.

Não fique com medo das caras feias, dos boicotes e das ameaças.

No final você, e você somente responderá por sua vida.

Diga “não” a quem quer com jeitinho fazer de você um escravo do trabalho.

Diga “não” a quem quer que você se afaste por que é uma pedra no sapato.

Diga “não” a quem lhe propõe fantasias que resolvem todos os problemas da vida.

Diga “não” a quem quer que você faça o que todos fazem, mas que sua consciência protesta.

Diga “não” a seus filhos que querem seguir a multidão, só porque é multidão.

Diga “não” a quem lhe traz presentes, mas que na verdade quer lhe comprar a consciência.

Diga “não” a quem lhe diz que todos são iguais, mas só conhece alguns.

Diga “não” ao alívio imediato dos rompantes emocionais e consequências para sempre.

Diga “não” as facilidades da corrupção, que põe em dificuldades sua alma.

Diga “não” a quem quer tomar decisões por você, mas que vai desaparecer quando a conta chegar.

Diga “não” a respostas rápidas para problemas difíceis.

Diga “não” a quem lhe oferece uma rede para dormir, enquanto sua casa pega fogo.

Diga “não” ao telefone que toca insistente, quando um coração se abre e se mostra como gente.

Diga “não” a quem quer lhe vender o que você não precisa comprar.

Diga “não” as vozes profanas que chamam de longe, enquanto você está no altar da mesa familiar.

Diga “não” a quem quer lhe entregar responsabilidades intransferíveis.

Diga “não” ao elogio tolo, que faz você pensar que é melhor do que aqueles a quem sequer conhece.

Diga “não” a quem lhe manda a conta dos atos alheios.

Diga “não” a quem quer lhe convencer que o contentamento é para os medíocres.

Diga “não”, você pode, você deve.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Será que eu preciso de um avivamento?

“Mas o pai disse a seus servos: ‘Depressa! Tragam a melhor roupa e vistam nele. Coloquem um anel em seu dedo e calçados em seus pés. Tragam o novilho gordo e matem-no. Vamos fazer uma grande festa e alegrar-nos. Pois este meu filho estava morto e voltou à vida; estava perdido e foi achado’.“

Lucas 15:22-24

“Avivamento é o Espírito Santo enchendo um corpo prestes a se tornar um cadáver.”

D. M. Panton

people-praying-for-revival3

Os cristãos abusaram da graça. Ela se tornou álibi para o pecado, em lugar de recurso para a luta contra o mal que há em nós e fora de nós. Como o filho esbanjador, tomamos o que era nosso e fomos viver entre os porcos.

Mas Deus tem sempre o melhor para nós. Não duvide nunca disso. É na casa do pai que há dança, roupas novas, anel no dedo, calçados nos pés e bezerro cevado.

Mas a gente se esquece rápido, e acabamos fazendo nossas incursões pelo submundo sem sair geograficamente do templo ou da regra usual dos crentes. Só que lá dentro o espírito acusa o golpe!

Então cabe a pergunta: será que preciso de um avivamento? Leia e pense!

Se desobedeço a Palavra clara e manifesta de Deus e não sinto dor nenhuma por causa disso, então eu preciso de um avivamento.

Se a viver para Deus é para mim uma obrigação pesada e não um deleite, então eu preciso de um avivamento.

Se não lembro de ter ouvido a voz de Deus nos últimos tempos, então eu preciso de um avivamento.

Se quem está a minha volta não recebe da minha boca uma palavra de utilidade para a vida espiritual, então eu preciso de avivamento.

Se Jesus não domina minha admiração, afeto e atenção, então eu preciso de um avivamento.

Se a experiência de desânimo, queixa e descontentamento é uma constante em minha vida, então eu preciso de um avivamento.

Se a oração e apenas uma repetição robótica de palavras aprendidas, então eu preciso de um avivamento.

Se falar mal dos outros se tornou  um hábito incorrigível no qual ocupo meu precioso tempo, então eu preciso de um avivamento.

Se a dor e o sofrimento das pessoas nesse mundo imenso não povoa minhas preocupações, e minhas ações, então eu preciso de um avivamento.

Se me sinto permanentemente vazio e abandonado por Aquele que um dia disse que jamais me abandonaria, então eu preciso de um avivamento.

Se não percebo, nem choro a decadência, que permeia o mundo ao meu redor, então eu preciso de um avivamento.

Se não movo um dedo por ninguém que não seja da minha família, então eu preciso de um avivamento.

Se estou mais indignado com o pecado dos outros do que com o meu, então eu preciso de um avivamento.

Se tudo que existe de verdade para mim é minha casa, minha saúde, meu trabalho, minha família, meu conforto, então eu preciso de um avivamento.

Mas se eu me levantar e voltar para a casa do Pai, então haverá um avivamento.

Em oração.

O discípulo gaudério.

Outros atalhos que você deveria evitar

Continuando o post anterior, cuidado com os atalhos!

  1. O atalho da culpa para estimular a obediência. A culpa sempre estimula resultados em curto prazo, mas as pessoas acabarão fugindo daqueles que as fazem sentir-se mal sempre. Ou encontrarão em si razões para fazerem o que realmente querem fazer. Obediência sem consciência jamais terá consistência.
  2. O atalho de ir embora do lugar onde você está se sentindo incomodado em nome da paz. O incômodo é uma grande oportunidade para crescer. Crescer na capacidade de fazer negociações, na possibilidade de transformar inimigos em parceiros. Pessoas que aguentam a pressão estão mais aptas para construírem uma grande carreira e uma linda história de vida.
  3. O atalho de procurar um falso profeta para receber uma resposta de Deus. Essa questão pra mim é simples:  a quem quer obedecer nunca lhe faltará direção de Deus, quem busca ouvir a confirmação de suas próprias decisões estará sujeito ao engano. Todos encontram o que buscam.
  4. O atalho da hipocrisia como caminho para espiritualidade. Se o diabo não puder fazer de você um libertino, ele certamente vai tentar fazer de você um fariseu. Não se contente com o aplauso dos outros, há coisas muito mais prazerosas  na presença de Deus.
  5. O atalho do poder como caminho para o coração dos homens. A política como instrumento de evangelização é a grande mentira que os evangélicos acreditam e os católicos também acreditaram. A organização social tem seu papel, mas utilizar os instrumentos do estado para impor um comportamento que só vem através da fé, é um grande erro. A política não pode fazer dos homens maus, homens de bem. Tudo o que ela pode fazer e deve fazer é evitar que homens maus imponham suas maldades sobre homens de bem. Assim a tarefa do cristão político é a procura da preservação das liberdades individuais que não afetem o bem comum. A natureza coercitiva do poder não combina com o chamado livre do evangelho. Cada coisa em seu lugar.
  6. O atalho da vingança para subverter os poderes do mal. “Olho por olho e ninguém mais enxergará nesse mundo” foi o que disse Gandhi. Justiça sim, mas através de mãos competentes. Acertar as contas com as pessoas movidos pelo ódio, só nos faz prisioneiros de quem nos machucou.

O caminho é estreito, mas chega ao destino.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Os atalhos que você não deveria tomar

O diabo é o rei dos atalhos. Na tentação de Jesus isso fica bem claro. O pão para comer, a intervenção de Deus e os reinos deste mundo estariam no caminho de Jesus, mas o milagre barato, o sensacionalismo, e a adoção de valores mundanos não eram um meio para Jesus.

O caminho é estreito, mas é no caminho que encontraremos a vida. Das mais pequenas questões até as mais abrangentes, os atalhos são sempre uma possibilidade. No final os atalhos não me levam onde quero chegar.

Cuidados com estes…

1. O atalho da dissimulação para conquistar relacionamentos. Quando conheci a Claudia, minha esposa, eu não passava por um momento espiritual vibrante. Pelo contrário, o ano de 1991 foi um dos piores anos da minha vida. Assim que comecei a namorar eu disse a ela o estado da minha alma. Não tentei impressionar e falei das minhas crises. Ela também desde cedo abriu o coração comigo e isso certamente foi um caminho difícil para nós dois, mas compensou, pois criou a liga que precisávamos para um relacionamento de longa duração como esses pouquíssimos vinte anos que estamos casados.

O programa Catfish da MTV expõe bem essa tendência moderna das pessoas se esconderem atrás do computador tentando enganar para ganhar atenção. No programa pessoas são reveladas mais gordas do que as fotos de perfis nas redes sociais sugeriam e mais comprometidas do que gostariam. Quanta decepção.

2. O atalho da pressa para resultados no trabalho. Não há outro caminho na busca de resultado que não seja paciência e excelência. Ninguém pode chegar a um lugar sem conquistar o direito de ter mais influência. Não podemos chegar a uma reunião que nunca participamos e falarmos como veteranos. Podemos até conseguir atenção, mas não chegaremos ao coração das pessoas. Também não seremos promovidos até que a semente do nosso esmero venha à tona. Não ponha tudo a perder pela ansiedade do imediatismo.

3. O atalho das promessas impossíveis para conquistar a confiança. Essa é a estratégia típica do político em todo lugar do mundo. No Brasil chega a ser cômico, pois candidatos a vereadores prometem fazer o que somente o prefeito tem poder para fazer. Atendentes de loja costumam prometer produtos que vão levar muito tempo. Um discípulo evita esses atalhos porque é assim que gostaria de ser tratado.

4. O atalho do medo para conquistar autoridade. Maquiavel já escreveu que o amor não evitava a traição,  e recomendou o medo como instrumento de liderança. Bom, infelizmente é assim mesmo com grande parte dos líderes, mas a cruz no evangelho precede a glória. E o homem de Deus deve resistir esse caminho diabólico. O discípulo abraça a responsabilidade para ter direito a autoridade.

5. O atalho da cola para passar na escola. Quando a gente é mais novo, é muito sem noção. Mas nossos professores deveriam trabalhar mais na nossa consciência. O conhecimento não passa para nossas mentes pelo fato de estarmos em uma sala de aula. Chegará um dia em que precisaremos do raciocínio e não teremos outra saída a não ser saber. Os “nerds” desprezados acabam rindo por últimos dos malandros espertalhões quando pegam as melhores vagas no mercado de trabalho simplesmente pelo fato de não terem pulado etapas. O conhecimento tem um preço, e o preço é quebrar a cabeça mesmo.

Continua…

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Que tipo de velho você vai ser?

“Ensina-nos a contar os nossos dias para que o nosso coração alcance sabedoria.”

Salmos 90:12 

Há um lado da velhice que ninguém pode escolher.

A pele de pêssego se transformará em uva passa.

A explosão atlética dos vinte poucos anos se transformará em passos de tartaruga involuntários.

O pensamento rápido e a memória prodigiosa vão cedendo seu lugar ao esquecimento.

Sim, apesar de você negar ou não querer ler sobre isso, a cada dia que passa você está com a pele mais opaca, movimentos mais lentos e com a mente se embotando. Tão lentamente que você não perceberá, a não ser que olhe uma foto antiga, tire um vídeo de VHS do porão poeirento da sua casa ou tente voltar aos bancos escolares.

Mas há outra face da velhice que você vai escolher. É a parte da alma. Do coração.

Pessoalmente já conheci vários tipos de velhos.

o velho senhor luiz

Conheci velhos bagaceiros, que não aceitavam o fato de não poderem mais conquistar as meninas mais novas e que se colocavam em situações ridículas tentando bancar os meninões com seus setenta anos.

Conheci velhos resmungões, cujas lutas e decepções deixaram feridas abertas que se transformaram em uma ladainha cansativa.

Conheci velhos calados, sem esperança, só esperando a morte chegar.

Mas conheci velhos indômitos, que não tem vergonha de conviver com os que são de sua idade nem de sentar e aceitar as precipitações juvenis. Que aceitam  rir do seu reumatismo, de fazer as coisas no seu ritmo, enfim aceitar suas perdas.

A velhice é  a ponta do iceberg de nossa vida. Quando for velho você não terá mais a mesma energia que possuía para disfarçar e esconder quem  é, e tudo que sempre foi saltará das profundezas.  O velho que você  será é esse ser humano que está sendo construído agora, só que multiplicado. Nada acontecerá por acaso. Na atitude diante das perdas, das oposições, na elaboração de suas feridas interiores, na descoberta de suas necessidades mais viscerais.

Você vai errar mais do que imagina, mas o que mais vai importar é como você vai reagir diante dos seus erros. Perdoar a si mesmo, às vezes é a mais difícil das tarefas, mas aqueles que o fizerem encontrarão a vida.

Você vai sofrer perdas, por mais que tente controlar tudo a sua volta. A dor estará sempre por perto. Mas como sofrer sem perder o coração? Tanto quanto luta por suas conquistas, aceite também suas perdas. O Homem de Dores de Isaías 58 poderá nos ensinar se a gente decidir viver perto dele sempre.

Você terá sucessos surpreendentes. Mas como ser bem sucedido sem se achar. Como guardar a simplicidade quando as pessoas nos tratam com semideuses, quando nos elogiam sem cessar? Como permanecer sóbrio diante desse narcótico que é o sucesso? Como não maltratar pessoas importantes, como manter a alma vigilante? Não sei, mas continuar perguntando pode ajudar.

Você será exposto a situações inusitadas, situações nas quais a experiência nada terá a lhe dizer. Aproveite, serão momentos em que a palavra “confiar” será a chave da saída, e a palavra “aprender” o grande sentido.

Os pecados não tratados  ficarão mais enraizados do que nunca. Ganharão a ajuda das racionalizações, das generalizações e do hábito. Terríveis aliados que terão poder de derrubar e humilhar.

Os panos quentes sobre os problemas de relacionamento retornarão como azedume.

Então…

O que você está fazendo? Está gostando do tipo de pessoa que você está se tornando? Poderia conviver na mesma casa com uma pessoa exatamente igual a você?

Que tipo de velho você será? A resposta se encontra no dia que se chama hoje. Faça logo o que você precisa fazer antes que chegue o crepúsculo dos dias onde tudo é mais definitivo.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

 

Das limitações do conhecimento

“A sabedoria está gritando, o discernimento levanta a sua voz, nos gabinetes dos líderes mundiais, na escola pede atenção, ela se coloca no comando das empresas, e no dia a dia das pessoas pede atenção. Ela está quase sem voz…”

Paráfrase pessoal de Provérbios 8:1-3

Sobreviver espiritualmente nesse século XXI depende da nossa capacidade de discernir a diferença entre conhecimento e sabedoria, e seguir a sabedoria.

Conhecimento é saber como a realidade é e funciona, sabedoria é a capacidade de transformar tudo isso em bem para o homem. É fácil perceber qual tem sido a escolha perversa da humanidade.

Os homens descobriram mistérios do inconsciente e em lugar de mais médicos da alma temos mais vendedores manipuladores.

Os homens aprenderam a duras penas depois do Iluminismo e da fracassada educação ateísta soviética que o anseio por Deus é algo inerente ao ser humano, e em lugar de responderem ao sagrado, elevaram a nona potência sua capacidade de explorar a fé alheia.

Os homens conseguiram enviar satélites para a órbita terrestre, cavaram a terra e nela colocaram cabos de transmissão, inventaram a internet e em lugar de uma irmandade universal criamos uma exploração abissal.

Inventamos as sementes a prova de pragas, conseguimos produzir mais alimentos por metro quadrado e estocar a salvo de qualquer ameaça, mas em lugar de resolvermos o problema da fome, temos mais desperdício do que nunca.

Descobrimos os planetas, novas galáxias, nos embrenhamos no cosmos, mas desconhecemos aqueles que moram dentro de nossa casa e que chamamos de família.

Governos sempre sabem como achar verba para subsidiar construções faraônicas como estádios de futebol, mas a educação e a saúde das pessoas morrem a míngua.

Desenvolvemos estradas para garantir a segurança dos homens, mas elas foram transformadas em uma passarela do ódio e do desrespeito.

Construímos  catedrais arquitetonicamente perfeitas com a justificativa de Deus, mas tudo que elas servem é para ser vitrine de homens sedentos pela glória que só pertence ao Altíssimo.

Criamos postos de trabalho, novas profissões para construirmos um mundo novo para aqueles que amamos, mas o preço que precisamos pagar é jamais podermos desfrutar da companhia de nossa família.

Produzimos bens dos mais diferentes tipos para ajudar o homem, mas para isso utilizamos o trabalho escravo desses mesmos homens.

Dizemos constante em alto e bom som que a felicidade é o propósito do homem, mas vivemos ensinando a nossos filhos desde pequenos a não se contentarem com nada.

Estudamos anos a fio em seminário o grego e o hebraico, e  a mais sadia teologia, mas em lugar das pessoas conhecerem a Jesus tudo que fazemos em nossas igrejas é deixar nas pessoas a sensação de quão inteligentes somos.

Onde está a sabedoria em todo esse conhecimento?

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

As leis da burocracia e a espiritualidade

1. Você nunca vai no lugar certo da primeira vez que precisa de um serviço público.

2. Quando você finalmente descobre o lugar certo o horário foi mudado por alguma razão.

3. Quando você for no horário certo, o funcionário que pode resolver seu problema faltou ou está tomando cafezinho.

4. Quando o funcionário estiver disponível, será lento ou não estará de bom humor.

5. Quando você for atendido nunca terá todos os papéis requeridos.

6. Quando tiver todos os papéis requeridos o atendente será outro e lhe dirá que não  foi informado a você que ainda precisava de um outro papel.

7. Quando você conseguir o bendito papel você será informado que precisa de uma cópia do papel.

8. Quando você conseguir a cópia do papel referido, será informado que é necessário uma cópia autenticada.

9. Quando conseguir uma cópia autenticada, descobrirá que o custo de todo aquele processo que você paga com altos impostos para existir é exorbitante.

10. Quando finalmente pagar, será informado que precisará esperar pelos seus documentos mais do que seus prazos podem esperar.

Tudo isso porque o Estado não pode, nem nunca vai amar, pois no amor, não há burocracia.

Por essa razão tudo em Jesus é simples. Não há complicações desnecessárias. Ele não enrola, ele vai direto aos fatos, é realista. Destrói sonhos de vaidade e utopia humanas e mostra caminhos de utopia divina que desafiam a vida como ela é.

Os discípulos são chamados a simplicidade também.

São informados que a oração não precisa de palavras calculadas, não precisa de um lugar específico e pode ser feitas sem genuflexões compulsórias. Tudo porque Deus está acessível e sabe o que nós precisamos antes de orarmos. Então segundo Jesus o segredo da oração é que não existe segredo nenhum. (1)

A palavra do discípulo deve ter o mesmo caráter de Deus: objetividade. Se disse sim, quer dizer sim, se disse não quer dizer não. Nada de subterfúgios, enrolação, ambiguidades propositais para desviar os interlocutores. O que dele discípulo quer se saber deve ser dito sem armadilhas semânticas que os advogados tanto apreciam. (2)

A atitude do discípulo também não deve presumir honrarias de qualquer tipo. Deve sempre esperar nada, e tudo que receber é lucro de quem nunca exigiu qualquer coisa. Se a cama for boa glória a Deus, se não vamos em frente. Assim é que Jesus sem beijo, sem pés limpos e sem ser ungido seguiu seu ministério na casa do fariseu e ali mostrou lição de humildade. (3)

A alegria também segundo Ele, não vem de conquistar algo distante em um futuro incerto, mas de conseguir abrir os olhos para o que já está consumado, as maravilhas ao nosso redor e pelo que se é nEle.

Quem é discípulo que aprenda logo.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

(1) Mateus 6:5

(2) Mateus 5:37

(3) Lucas 14: 8