Se a mulher fosse feita apenas para procriar, Deus não criaria o clitóris

Marisa Lobo

Vi no Genizah.

Em minhas palestras sobre sexualidade da mulher ensino as mulheres para que serve o clitóris , e como sentir prazer sem tabus.
Muito tem se falado de sexo na igreja e é bom que a igreja se preocupe com esse assunto, pois muitas mulheres sofrem muito, por não saberem até onde podem ir, se podem, até onde se tem o direito de sentir prazer e etc. Há muitos tabus em cima da sexualidade da mulher que deve ser esclarecido com verdade e clareza a fim proteger a mulher e sua saúde mental.
Em minhas andanças pelo Brasil, vejo mulheres oprimidas por pregadores preconceituosos, que nem sequer sabem o que é sentir um orgasmo. Essa ignorância tem que acabar.
Recentemente, em uma de minhas palestras em uma grande Igreja no Brasil, uma mulher me disse que ouviu de um renomado pastor, que Deus apreciava tanto o sexo que envia anjos para observarem o ato. “Misericórdia!”, gritei. Fiquei imaginando a cena, você lá com o maridão e os anjos te olhando. Que coisa mais bizarra, parece voyeurismo. É o cúmulo da alienação e da opressão sexual. Pastores querendo até controlar o que as mulheres fazem e sentem no sexo com seus maridos? Ou foi uma forma subliminar de dizer não traiam seus maridos porque Deus está vendo? E por acaso já não sabemos disso?!
Em minha visão e opinião como palestrante do assunto e uma mulher Cristã que respeita princípios, isso é uma forma de constranger, oprimir e induzir à culpa. A fala deste pastor fez com que essa mulher se sentisse fiscalizada na hora do sexo. Resultado? Ela estava tendo um péssimo sexo, onde só o marido atingia o orgasmo, ou seja, só o homem sentia prazer. Isso gera mulheres frustradas em sua sexualidade, em consequência: mais dores de cabeça, TPM, nervosismo, etc.
Essas e muitas mulheres que encontro em minhas palestras são vítimas dessas que eu chamo claramente de heresias, acreditando que fazer sua obrigação como mulher é dádiva e sentir prazer não é seu direito ou é algo supérfluo.
Primeiramente, quando falamos de sexo, não podemos usar a palavra obrigação, pois obrigação não combina com prazer. Se Deus quisesse que a mulher não sentisse prazer no ato sexual, não teria lhe dado o clitóris, que só serve para dar prazer a mulher durante o ato sexual.
“Fugi dos escribas, que gostam de andar com vestes compridas” (Marcos 12:38)
Em conversas mais íntimas com essas mulheres em todo Brasil, pude observar que é geral a ídéia que para ser cristã, uma mulher de Deus, é necessário ceder ao marido apenas como obrigação. Eu ensino que “ceder” ao marido é uma ótima brincadeira e vai te deixar muito mais feliz se entender o que realmente Deus quis dizer com isso, eu digo sempre que Deus quis dizer “se deleite minha filha, é direito seu!”.
A Palavra de Deus é viva e eficaz, portanto, os pregadores devem usá-la na amplitude do que é. O líder espiritual eficiente é o que ministra a Palavra e atinge a tricotomia do ser humano: o corpo, a alma e o espírito.
“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula” (Hebreus 13.4). Nos originais em grego, a palavra traduzida por leito é sexo. Que os líderes evangélicos vençam os seus tabus e consigam usar a Palavra a fim de criar maior honra no matrimônio, no sexo entre cônjuges, diz o Pr Josué Gonçalves.
Temos que mudar urgente esses conceitos, a mulher tem o direito dado por DEUS em seu corpo de sentir orgasmo. Pelas estatísticas mundiais somente 35% das mulheres já atingiram orgasmo, essa porcentagem fica ainda maior quando imputamos culpa em nossos membros e não ensinamos as mulheres que DEUS lhes deu liberdade no corpo, alma e espirito para gozar com seu marido literalmente de todo prazer em sua vida sexual.
“Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias da sua vida…” Eclesiastes 9.7.
O sexo com prazer é um dom que Deus dá às pessoas casadas para o prazer de ambos e não como dizia a era Agostiniana: “um mal necessário, somente para procriação”.
Principalmente a mulher cristã, deve relaxar tendo em mente que Deus quer sua felicidade e pensou muito em seu prazer, por isso temos um clitóris e curiosidade. Podemos atingir orgasmo múltiplos e quantas vezes quisermos, já o homem sabemos ser mais difícil.
Deus foi tão sábio que com a mulher ensina o marido (homem) a ser mais carinhoso. Para a mulher atingir o orgasmo, o homem precisa estimulá-la com muito carinho e paciência. Homens que tratam mulheres com agressividade por exemplo não conseguem de maneira alguma satisfazer suas mulheres, pois nós precisamos estar psicologicamente e fisicamente relaxadas, e ainda muito mais motivadas que o homem. São dois opostos que se atraem, vejo como uma linda brincadeira de Deus para nós.
E como é bom para o homem satisfazer sua esposa, ele se sente mais macho, mas isso só será possível se ele estimular com carinhos variados, com palavras e atitudes todo o corpo de sua amada esposa e principalmente em seu clitóris. Não é tarefa fácil mas se querem uma esposa ardente, devem mudar seus conceitos.
Quem ama a sua esposa, ou esposo, acha nela ou nele a sua beleza, jamais sentirá condenação em colocar a boca ou as mãos em qualquer parte do seu corpo, pois os dois já são uma só carne. Fazer carinhos nela é estimular você, pois somos uma só carne, lembra?
A OMS (Organização Mundial de Saúde) considera saúde sexual um dos parâmetros para qualidade de vida junto com o bem estar físico, mental e social.
Para a mulher estar bem com a sexualidade e ter satisfação sexual com o seu esposo, ela tem que se conhecer e saber onde quer e deseja ser estimulada e acariciada. Com certeza haverá muito mais troca! Essas trocas de carinhos são importantes na Manutenção da Interação da Vida do Casal, claro que não devemos associar o prazer sexual somente ao orgasmo, mas quem consegue atingí-lo, tem mais saúde emocional, física e espiritual, pois se sente mais feliz e disposto.
Portanto, dificuldades sexuais podem sim afetar a vida pessoal, social e profissional, por implicar em baixa de auto-estima. Por isso ensino mulheres a conhecerem seu corpo, a entender seus problemas sexuais, suas dores e principalmente a exercitarem o sexo, não como uma simples forma de satisfazer seus maridos, no entanto e principalmente, satisfazer a si mesma como direito adquirido por Deus. Assim sendo, a mulher que sabe o que é um orgasmo será muito mais feliz e fará seu marido se sentir o máximo.
Lembre-se que Deus fez o seu corpo e de seu marido para que ambos sintam todo o prazer que o sexo oferece, no contexto do casamento (Hb 13.4 e 1 Co 7.3,4).
Bom sexo para você mulher de Deus!
Marisa Lobo é psicóloga clínica, escritora.
Anúncios

Ainda sobre os homossexuais

O post sobre homossexualismo gerou uma muvuca aqui no blog. Como nunca recebemos visitas e manifestações de todos os lugares. Alguns que não comentaram não se esqueceram de mandar indiretas, mas é do jogo. Eu gostaria mesmo é de ver aqueles que têm convicções sobre a graça se manifestarem com mais ousadia em suas comunidades se preocupando mais com as pessoas do que em salvar sua própria pele, trazendo o assunto a baila, discutindo e tomando ações de forma ampla para que venhamos ajudar e acolher homossexuais em nossas comunidades. Muitos ainda não entenderam a diferença entre aceitação e aprovação. Posso te aceitar, mas não aprovar tudo o que você faz, aliás, creio que essa é a nossa condição em praticamente todos os nossos relacionamentos, mas que em nossa relação de medo em relação aos homossexuais não aplicamos.

Mas o propósito real desse post é recomendar um livro que minha esposa está lendo e sobre o qual conversamos diariamente e cuja capa vai estampada no topo desse post. Se você ama os homossexuais deveria ler esse livro. Nele cinco autores cristãos do ministério Exodus Internacional que inclusive tem site aqui no Brasil, falam sobre homossexualismo e como a igreja pode ministrar a essas pessoas.

Recomendo a quem não quer só discutir, mas se envolver. Então você que é filho da graça, não fique só no blá-blá-blá. Nós estamos na guerra e você onde está? Junto ou na arquibancada. Como disse W. B. Yeats: “os bons carecem de toda convicção, enquanto os maus estão cheios de intensidade apaixonada”.

Até quando?

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Cientistas explicam por que mulheres se apaixonam mais depois do sexo

Publicado no Terra

Sexo é um dos assuntos mais interessantes que existem. Todos gostam de falar sobre ele e de fazê-lo, e o assunto sempre causa arrepios, dores de cabeça e confusão. Mas os cientistas não sabiam, até pouco tempo, o que acontecia exatamente com o cérebro durante a atividade sexual. Todavia, pesquisadores da universidade norte-americana Rutgers descobriram que 30 diferentes áreas cerebrais são ativadas durante o orgasmo, segundo noticiou o jornal britânico Daily Mail desta terça-feira (30).

Dois minutos após o ápice sexual, o cérebro ativa áreas relacionadas a recompensas, segundo notaram os cientistas. A pesquisa, que contou apenas com mulheres, destacou que o cérebro feminino ativa pontos do sistema nervoso que bloqueiam a dor, assim elas sentem apenas prazer.

Sabe-se também que durante o ato sexual há muita ocitocina envolvida, e este é o hormônio “do amor”, que nos faz confiar nas pessoas e que diminui nossas defesas, como lembrou o especialista em saúde sexual Arun Ghosh. Como as mulheres produzem mais desse hormônio, tornam-se mais propensas a se apaixonar – principalmente depois do sexo.

Diferentemente delas, os homens recebem apenas uma descarga de prazer com o orgasmo. “O principal hormônio envolvido no prazer masculino é a dopamina, que pode ser viciante”, contou o médico, justificando por que muitos homens sofrem de compulsão sexual.

Outros benefícios
Manter uma vida sexual ativa e regular pode trazer outros benefícios à saúde. Segundo cientistas da Universidade de Princeton (EUA), o sexo pode ajudar no nascimento de células cerebrais que, tradicionalmente, morrem conforme envelhecemos. Por melhorar a oxigenação cerebral, o sexo ajuda na prevenção da demência.

O orgasmo também pode ser um analgésico natural, pois bloqueia a transmissão de estímulos dolorosos pela espinha, e os hormônios envolvidos no ato sexual ajudam a prevenir a depressão e melhoram o sono.

Foto: Getty Images

Pais influenciam comportamento sexual das filhas

Publicado originalmente no New York times, via IG
Decisões sexuais da menina são influenciadas pelo pai, afirmam pesquisadores

“Quando se trata de garotas e suas decisões sexuais, a influência paterna realmente é importante”, afirma o escritor Bruce J. Ellis, da Universidade do Arizona, em uma publicação universitária.

Ellis e outros pesquisadores analisaram 59 pares de irmãs em famílias onde os pais se separaram e o pai foi embora de casa e 42 pares de irmãs de famílias onde os pais continuavam juntos.

Sexo sem camisinha
Os pesquisadores descobriram que meninas viveram em ambiente com pais com boas habilidades paternas eram menos propensas a desenvolver um comportamento sexual arriscado. Enquanto que as meninas que viveram com pais com pouca habilidade, mostravam um comportamento sexual mais arriscado. “Descobrimos que não importava o quanto cada filha tinha vivido ao lado do pai, e sim o que o pai fazia enquanto estava presente”, afirma Ellis.

O estudo observou ainda que no caso das irmãs de pais divorciados, a mais velha passava uma média de sete anos a mais vivendo com o pai do que a irmã mais nova.

Comportamento sexual de risco inclui fazer sexo sem camisinha, ter vários parceiros sexuais, fazer sexo enquanto estava alcoolizada ou drogada e ficar grávida antes dos 19 anos.

Sexo: resgatando a alegria do corpo no Corpo

Nós da  tribo evangélica (não vou negar minhas raízes históricas) temos muitos problemas que demandam atenção. Somos igreja de gente em processo de crescimento até que chegue aquele que é perfeito. E um dos maiores  é a relação com nossa humanidade.

Crente em geral tem três problemas ligados a sua humanidade: problema no admitir e expressar emoções, crises teológicas quando enfrenta doenças, perdas e dores e um profundo desconforto com sua sexualidade.

Quero falar primeiramente da sexualidade e do que tenho visto em minha experiência de mais de 20 anos aconselhando e falando em diferentes denominações. Vamos  lavar um pouco da roupa suja?

Os crentes tendem a enxergar seus pastores e líderes como figuras assexuadas. Não sei se nós colaboramos para isso ao não abordarmos temas sexuais de forma explícita. Pastor que lê isso, qual foi a última vez que você abordou assuntos relacionados com sexualidade em sua igreja de forma tranquila, aberta e distensionada? Uma querida irmãzinha amada mas desinformada expressou-se da seguinte forma para minha esposa e eu quando soube durante uma conversa de que nós fazíamos sexo: “Pastor eu nunca imaginei que vocês também faziam essas coisas”. É pois é.

Os crentes por sua falsa moralidade (o que eles admitem publicamente e o que eles fazem de fato) dificilmente publicarão ou ensinarão algo realmente útil no quesito como dar e receber prazer na relação sexual. Filosoficamente os livros cristãos são em geral bem sólidos, só que no aspecto prático (quais os botões apertar), são infinitamente inferiores aos chamados “seculares”. Minha esposa palestrou em um Congresso de mulheres inteiramente sobre sexualidade e as reações foram surpreendentes. Muitas mulheres consideram os órgãos sexuais como Pero Vaz de Caminha os descreveu em sua carta para Portugal a 500 anos atrás: “suas vergonhas”. Creem que a mesma boca que beija e que faz sexo, não pode louvar e adorar a Deus, mas antes e depois deve se purificar. Me faz lembrar o costume que católicos praticantes tinham de fechar o nicho da santa que ficava no quarto na hora de terem relações sexuais. Outras mulheres cada vez que faziam sexo, após terminarem iam até um quarto ao lado pedirem perdão a Deus. Sinceramente me compadeço destes casamentos e sempre tenho vontade de ajudar essas pessoas. Quanta infelicidade sem razão!

Os crentes quando falam em sexo na igreja em geral é para apresentar listas obsessivas  sobre o que não pode se fazer. Líderes mal resolvidos querem ser policiais da sexualidade alheia. Se você ver gente assim por aí, cuidado essas pessoas tem um tarado por dentro! Lembro de uma líder que mandava as meninas colocarem  farinha de trigo nos genitais com o fim de vencerem a  tentação do sexo. !!!!!!!Meu Deus quanta obsessão doida!

Os crentes associam sensualidade (prazer dos sentidos) com “espírito de prostituição”. Prostituição é vender o corpo. Um membro de uma igreja chegou no escritório de um pastor amigo pedindo oração a ele porque sua esposa estava com o tal “espírito de prostituição”. O pastor perguntou o que ela estava fazendo e ele respondeu que ela tinha comprado lingeries novas e sensuais para estar com ele. Em outros lugares seminários de libertação levam as lingeries portadoras de espíritos de prostituição para queimarem e descartá-las. Oh Deus misericórdia. Não esqueço quanto alívio tenho visto nas pessoas depois de seminarios nos quais desmascaramos essas mentiras escandalosas que fazem nosso povo mais infeliz.

Os crentes para minha vergonha e perturbação, depois de se converterem não raro começam a ter uma vida sexual menos prazerosa. Ouvi de muitos maridos que suas esposas se tornaram extremamente  complicadas e cheias de “não me toques” depois de se converterem. Alguns homens depois de participarem algum tempo na igreja chegaram em casa e disseram a suas mulheres: Agora que a gente se converteu vamos ter que parar de “fazer essas coisas”.

Os crentes por muitos anos aboliram e condenaram a  dança na vida do casal reputando-a por mundanismo. A dança a dois faz com que nos sintamos a vontade com o nosso corpo, algo fundamental para uma vida sexual sadia. Está na hora de voltarmos para a pista de dança com nossos companheiros. Ah meu Deus, será que serei apedrejado por ter escrito isso?!

Deus nos deu o sexo para a alegria. Como diz meu cunhado “dar uma alegria para o corpo” é fundamental para essa vida que já tem seus fardos e lutas cotidianas. Não temos necessidade de acrescentar mais peso ainda. E se alguém quer contestar por favor leia Cantares com um bom comentário na mão e verá que o que digo é verdade. O sexo precisa ser resgatado em nossos arraiais. Deus nos ajude.

O discipulo gaudério.