Seis razões para o avanço do ateísmo entre jovens.

Richard Dawkins

Richard Dawkins

É fato, o ateísmo está crescendo entre os jovens: veja essa matéria. Gostaria de investigar algumas razões para isso a fim de trazer subsídios para pensarmos em um caminho de retorno e talvez de precaução. Eis o que venho pensando:

1. Cristãos e igrejas com projetos de poder e dominação. A todo o momento eu me pergunto como os ditos cristãos não conseguem perceber os delírios megalômanos dos seus líderes, e quão distantes seus projetos estão do que Cristo propôs e exemplificou nos evangelhos. Então não é de se admirar que “o Corpo de Cristo”, tão diferente dEle mesmo, cause repulsa nas pessoas. Como já ouvi alguém de fora dizer: Se esses que estão falando de Jesus serão os habitantes do céu, me desculpem mas prefiro ir para o inferno!

2. Pais ausentes. Já escrevi sobre isso, mas não canso de dizer. Uma geração sem pai está vários passos atrás na jornada espiritual de encontrar o Pai. Os novos ateus que encontro poderiam mudar a frase “não acredito em Deus” para “não acredito no meu pai” sem que seu discurso perdesse o sentido, justamente porque o pai é a (me desculpem o paradoxo da declaração) razão afetiva da descrença ressentida deles.

3. A propaganda de que a tecnologia resolve todos os problemas. Segundo a cartilha pós-moderna, tudo que eu preciso está ao alcance de um clique! Aquele jovem inexperiente com as reais exigências da vida e desconectado com seus mais profundos anseios compra essa mentira e pensa que está vivendo na ilha da fantasia da deusa tecnologia. A semelhança dos povos antigos que dependiam da presença do sol para a maioria das coisas importantes  que faziam e terminaram adorando-o, da mesma maneira o jovem do século XXI rodeia-se de bugigangas tecnológicas para tudo que julga fundamental e instintivamente adora no altar tecnológico.

4. Cristãos mal preparados nas universidades. Como diria C. S. Lewis, a boa filosofia deve existir, se não for por outra razão, que seja para combater a má filosofia. Poucas igrejas preparam seus jovens para o embate de ideias que enfrentarão na universidade. Sem preparo, ele acaba intimidado, e no coração começa a duvidar do que lhe foi ensinado. É uma guerra espiritual, pois uma ideia uma vez que conquiste a mente, governará o indivíduo. Está mais do que na hora das lideranças prepararem seus membros para o debate de ideias da universidade.

5. Selva de pedra. O salmo 19 diz que a criação é um livro que discursa sobre a glória e o desígnio inteligente de Deus. Um estudante de veterinária ao estudar os animais e a biologia me disse que não era possível descrer da existência de Deus diante de tamanho detalhamento no funcionamento do mundo animal. Parece que a rotina da cidade grande e suas estruturas de concreto cria uma cortina de fumaça nos olhos espirituais do homem. Tom Jobim faz uma preciosa confirmação dessa verdade quando diz: “A vida tem um sentido oculto, certamente. Fui criado em ambiente cético, de maneira agnóstica. Diante da natureza, sinto que toda a negação é ingênua, que Deus não nos teria criado para o nada”.

6. Desobediência aberta. “Se vocês obedecerem aos meus mandamentos, permanecerão no meu amor…” Uma verdade simples e objetiva é revelada no evangelho: é na obediência que conhecemos a Deus. Esse conhecimento é experiencial. E isso se dá quando eu aprendo e coloca a Palavra em prática na minha vida. A desobediência é uma forma de ignorar a Deus, e a prática de ignorar a Deus acaba dando a mente e ao coração a falsa convicção de que Deus de fato não existe.

Que essas questões nos forneçam pistas de um caminho alternativo para alcançarmos esses corações desalentados e talvez entendermos um pouco a nós mesmos.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

Que tipo de velho você vai ser?

“Ensina-nos a contar os nossos dias para que o nosso coração alcance sabedoria.”

Salmos 90:12 

Há um lado da velhice que ninguém pode escolher.

A pele de pêssego se transformará em uva passa.

A explosão atlética dos vinte poucos anos se transformará em passos de tartaruga involuntários.

O pensamento rápido e a memória prodigiosa vão cedendo seu lugar ao esquecimento.

Sim, apesar de você negar ou não querer ler sobre isso, a cada dia que passa você está com a pele mais opaca, movimentos mais lentos e com a mente se embotando. Tão lentamente que você não perceberá, a não ser que olhe uma foto antiga, tire um vídeo de VHS do porão poeirento da sua casa ou tente voltar aos bancos escolares.

Mas há outra face da velhice que você vai escolher. É a parte da alma. Do coração.

Pessoalmente já conheci vários tipos de velhos.

o velho senhor luiz

Conheci velhos bagaceiros, que não aceitavam o fato de não poderem mais conquistar as meninas mais novas e que se colocavam em situações ridículas tentando bancar os meninões com seus setenta anos.

Conheci velhos resmungões, cujas lutas e decepções deixaram feridas abertas que se transformaram em uma ladainha cansativa.

Conheci velhos calados, sem esperança, só esperando a morte chegar.

Mas conheci velhos indômitos, que não tem vergonha de conviver com os que são de sua idade nem de sentar e aceitar as precipitações juvenis. Que aceitam  rir do seu reumatismo, de fazer as coisas no seu ritmo, enfim aceitar suas perdas.

A velhice é  a ponta do iceberg de nossa vida. Quando for velho você não terá mais a mesma energia que possuía para disfarçar e esconder quem  é, e tudo que sempre foi saltará das profundezas.  O velho que você  será é esse ser humano que está sendo construído agora, só que multiplicado. Nada acontecerá por acaso. Na atitude diante das perdas, das oposições, na elaboração de suas feridas interiores, na descoberta de suas necessidades mais viscerais.

Você vai errar mais do que imagina, mas o que mais vai importar é como você vai reagir diante dos seus erros. Perdoar a si mesmo, às vezes é a mais difícil das tarefas, mas aqueles que o fizerem encontrarão a vida.

Você vai sofrer perdas, por mais que tente controlar tudo a sua volta. A dor estará sempre por perto. Mas como sofrer sem perder o coração? Tanto quanto luta por suas conquistas, aceite também suas perdas. O Homem de Dores de Isaías 58 poderá nos ensinar se a gente decidir viver perto dele sempre.

Você terá sucessos surpreendentes. Mas como ser bem sucedido sem se achar. Como guardar a simplicidade quando as pessoas nos tratam com semideuses, quando nos elogiam sem cessar? Como permanecer sóbrio diante desse narcótico que é o sucesso? Como não maltratar pessoas importantes, como manter a alma vigilante? Não sei, mas continuar perguntando pode ajudar.

Você será exposto a situações inusitadas, situações nas quais a experiência nada terá a lhe dizer. Aproveite, serão momentos em que a palavra “confiar” será a chave da saída, e a palavra “aprender” o grande sentido.

Os pecados não tratados  ficarão mais enraizados do que nunca. Ganharão a ajuda das racionalizações, das generalizações e do hábito. Terríveis aliados que terão poder de derrubar e humilhar.

Os panos quentes sobre os problemas de relacionamento retornarão como azedume.

Então…

O que você está fazendo? Está gostando do tipo de pessoa que você está se tornando? Poderia conviver na mesma casa com uma pessoa exatamente igual a você?

Que tipo de velho você será? A resposta se encontra no dia que se chama hoje. Faça logo o que você precisa fazer antes que chegue o crepúsculo dos dias onde tudo é mais definitivo.

Um abraço quebra costelas.

O discípulo gaudério.

 

Estudo mapeia morte de jovens no Brasil

Fonte: Folha de São Paulo

Era 26 de março de 2010 quando o jovem Rafael Souza de Abreu, 16, virou mais um número para pesquisadores de segurança pública.

Nessa data, ele foi morto com oito tiros perto da casa de um amigo em Santos (SP).

Segundo seu pai, o operador portuário José de Abreu, e a Promotoria, o rapaz foi confundido com um ladrão de uma loja de roupas e foi morto em represália a um furto que não praticou.

Assim, ele passou a ser um dos 8.686 adolescentes e crianças assassinados naquele ano e engrossou a lista que, desde 1980, aumentou 376%. No mesmo período, entre 1980 e 2010, os homicídios como um todo cresceram 259%.

Os dados são do “Mapa da Violência 2012 – Crianças e Adolescentes do Brasil”, pesquisa que será lançada hoje.

O levantamento analisa as informações do Ministério da Saúde sobre as causas das mortes de pessoas entre zero e 19 anos de idade.

O ritmo de crescimento da morte entre jovens é constante. Em 30 anos, só teve queda quatro vezes. Nos demais aumentou entre 0,7% e 30%.

Editoria de Arte/Folhapress

Um dado que chamou a atenção do sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, coordenador da pesquisa, foi quanto os homicídios de jovens representava no total de mortes. Em 1980, eles eram pouco mais de 11% dos casos de assassinato. Já em 2010, 43%.

“Os homicídios de jovens continuam sendo o calcanhar de aquiles do governo. Esse aumento mostra que criança e adolescente não são prioridade dos governos”, disse.

Entre os Estados em que houve maior aumento dos assassinatos de jovens estão Alagoas, com uma taxa de 34,8 homicídios por 100 mil habitantes, Espírito Santo (33,8) e Bahia (23,8).

Segundo Waiselfisz, vários fatores influenciam o aumento em determinadas regiões. Um deles é a interiorização dos homicídios.

“Antes, a maior parte dos crimes acontecia nos grandes centros. Agora, com a melhor distribuição de renda, houve uma migração da população e os governos não conseguiram implantar políticas públicas para acompanhar essa mudança”, disse.

Os Estados que apresentaram as menores taxas foram Santa Catarina, (6,4), São Paulo (5,4) e Piauí (3,6).

Para Alba Zaluar, antropóloga da Universidade Estadual do Rio, os dados devem ser analisados com “cuidado”, já que entre 2002 e 2010 houve uma melhora na qualificação das estatísticas sobre mortes. Ou seja, casos que antes constavam como “outras violências” nos dados oficiais passaram a ser homicídios.

“É muito complicado falar do aumento de mortes por agressão no Brasil como um todo”, afirmou Zaluar.

Waiselfisz diz que a pesquisa aponta que os problemas existem e serve de alerta para governos tentarem reduzir o índice, que já incluiu o assassinato do jovem Rafael.

Em tempo: quatro pessoas, sendo três policiais, foram acusadas pela morte do adolescente. Mas o julgamento ainda não aconteceu.

Contradições da Juventude!

E impossível tomar decisões e querer ficar com tudo. Quem decide diz sim a alguma coisa e não para outras.

Esse é o problema com essa geração. Fica em cima do muro com esperança de ter tudo. De-cisão. Cisão igual a ruptura.

Querem casar e continuar vivendo vida de solteiro!

Querem ser pais, mas não querem cuidar dos filhos!

Querem viver um grande amor, mas não querem se comprometer!

Querem Deus, e viver para enriquecer!

Querem prosperar, mas não querem trabalhar!

Falam com convicção, mas não querem pensar!

Reclamam do mundo, mas não fazem nada para mudar!

Querem opinar sobre tudo, mas não querem que opinem sobre eles!

Querem independência, mas sustentados pelos pais!

Tem todos os canais de comunicação possíveis, mas carecem de relacionamentos profundos!

Se dizem independentes, mas seguem todas as cartilhas da moda!

Nesta vida é necessário dizer uma série de nãos para poder dizer um grande “sim”.

Decida-se, saia do muro!

Um abraço quebra costelas.

O discipulo gaudério.